Com queda, Nelsinho Batista terá missão de recuperar Kashiwa Reysol

O treinador acertou com o clube uma semana antes de o rebaixamento ser confirmado

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 30 (AFI) – Na última semana, apesar da vitória por 3 a 0 sobre o Cerezo Osaka, o Kashiwa Reysol teve seu rebaixamento na primeira divisão do Campeonato Japonês confirmado. Com isso, o técnico Nelsinho Batista, que havia sido confirmado pelo Kashiwa uma semana antes, terá a missão de recuperar o futebol da equipe e voltar à elite na próxima temporada.

Com 36 pontos, o Kashiwa Reysol é o penúltimo colocado do Campeonato Japonês, na 17ª posição, e não possui mais chances matemáticas de ultrapassar o Nagoya Grampus, com apenas um jogo restante e a diferença de quatro pontos.

Técnico brasileiro mais longevo no futebol do Japão, Nelsinho Batista está com 68 anos. Este ano, Nelsinho trabalhou no Sport Recife. Ele deixou o clube pernambucano ainda na terceira rodada do Campeonato Brasileiro por discordar de alguns dirigentes. Depois recusou vários convites de clubes do próprio Brasileirão, porque já vislumbrava seu retorno ao Japão.

O seu último clube no oriente foi o Vissel Kobe, em 2017. Nem parece tão distante, mas o técnico diz que já estava com saudade do Japão. “Eu me adaptei muito bem na forma deles trabalharem, além do modo de vida. Minha filha caçula, de dez anos, fala perfeitamente o japonês e gosta da cultura de lá. Estou muito feliz e confiante de poder realizar um grande trabalho e representar o futebol brasileiro”, revelou.

TRAJETÓRIA VITORIOSA
Nos 14 anos em que Nelsinho esteve no Japão desde os anos 90, boa parte deles foi dedicado ao próprio Kashiwa Reysol, um dos grandes clubes do país.

Lá ficou entre 2009 a 2014, sendo o responsável por devolver o clube à elite japonesa e com direito a título na J-League 2 em 2010.

No embalo, faturou a J-League em 2011, sagrou-se campeão da Copa Imperador, em 2012, da Supercopa Japonesa, em 2012, da Copa da Liga Japonesa, em 2013, e da Copa Suruga, em 2014, quando venceu o Lanús. Sem falar que o time de Nelsinho Batista ainda disputou o Mundial de Clubes. Em 2011, o Reysol ficou na honrosa quarta colocação.

No futebol nipônico ainda teve muito sucesso pelo Verdy Kawazaki. Entre 1994 e 1996, Nelsinho Batista foi bicampeão da J-League - Campeonato Japonês -, em 1994 e 1995, e ainda faturou a Copa da Liga Japonesa em 1994. Dirigiu também o Nagoya Grampus Eight.

TÍTULOS NO BRASIL
Nascido em Campinas, Nelsinho foi lateral-direito da Ponte Preta, São Paulo e Santos nas décadas de 60 e 70, encerrando a carreira no Juventus em 1983. Como técnico levou o Corinthians ao primeiro título brasileiro em 1990.

Foi também campeão paulista com o time de Parque São Jorge em 1997 e no ano seguinte pelo São Paulo.

Tem no seu currículo títulos estaduais pelo Atlético-PR (1988) e Goiás (2003). Levou o Internacional à conquista da Mercosul em 1996 e colocou seu nome na história do Sport Recife ao conquistar a Copa do Brasil de 2008. Na Ilha do Retiro também foi bicampeão estadual, em 2008 e 2009.

 
 
" />