Plataforma brasileira tenta parceria com Conmebol para organizar Libertadores

No momento, há apenas duas franquias de jogos de futebol virtual no mercado, o FIFA e o PES

por Agência Estado

São Paulo, SP, 14 - A suspensão dos campeonatos de futebol sul-americanos por conta da pandemia do novo coronavírus (covid-19) abriu uma fresta para que um cenário específico se expandisse em meio a essa condição: o esporte eletrônico.

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), para compensar a falta da sua maior competição continental, tem transmitido confrontos virtuais entre jogadores de equipes participantes do torneio em uma campanha chamada #LibertadoresEmCasa.

Para isso, a confederação contratou os serviços da Global Fut Club, uma das principais plataformas brasileiras de transmissões de futebol virtual. Em entrevista, Eric Caldana, fundador da empresa, explicou a parceria de sua empresa com a Conmebol e revelou, em primeira mão, quais serão os próximos passos do e-futebol sul-americano.

"Hoje nós temos uma parceria com a Conmebol, mas não usamos o nome da Global nas transmissões. Essa parceria começou por causa da pandemia. A Conmebol iniciou o planejamento de confrontos entre jogadores dos times reais, nada oficial, apenas amistosos. Como estamos dentro da indústria de transmissão do futebol virtual, eles entraram em contato conosco para que pudéssemos realizar a transmissão, contudo, de forma extraoficial. Estamos tentando, aos poucos, fechar uma parceria", explicou Caldana.

FUTEBOL VIRTUAL
No momento, há apenas duas franquias de jogos de futebol virtual no mercado, o FIFA e o PES. Ambos são concorrentes e tentam fechar parcerias exclusivas com as confederações nacionais e continentais para incluir, em seus games, os campeonatos mais renomados.

Futebol virtual está na pauta da Conmebol
Futebol virtual está na pauta da Conmebol
O PES, desenvolvido pela Konami, por exemplo, tem parceria com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o que garante a exclusividade de integrar os campeonatos sob a tutela da confederação em seu game, como o Campeonato Brasileiro. Por sua vez, o FIFA, desenvolvido pela Eletronic Arts (EA), tem a exclusividade de incluir a Libertadores em seu jogo por conta de uma parceria firmada com a Conmebol.

SEM CONVITE
Como não há nada concretizado, Caldana explica que nenhum convite foi enviado aos clubes brasileiros e demais sul-americanos, mas isso não seria um problema, já que a marca possui parcerias com diversas federações nacionais pelo continente e apenas aguarda uma confirmação da Conmebol para contatá-las.

"Ainda não há convites para os clubes, já que a parceria não foi firmada. Temos equipes oficiais no Brasil e em outros países da América do Sul. Assim que a Conmebol der o aval, nós vamos atrás dos clubes para organizar o torneio. Conseguimos fazer a e-Libertadores e a e-Sul-Americana, já que temos parcerias com federações em outros países", explicou.

O empresário afirmou que pretende expandir essas parcerias e que conversa com a Federação Paulista de Futebol (FPF). "São coisas que estão acontecendo por conta da pandemia, mas, ao mesmo tempo, é um olhar diferente das federações, que estão vendo o cenário de esportes eletrônicos como um meio promissor".

No momento, além da e-Libertadores, na qual São Paulo e Palmeiras já se enfrentaram através de Kelvin Mateus e Arthur Balan, respectivamente, acontece a American Cup, uma espécie de prévia da Copa América virtual com Brasil, Estados Unidos, Argentina e Chile.

A seleção brasileira, por sinal, chegou à fase final da competição contra a chilena. Caldana garante os futuros campeonatos irão acontecer.

"A Libertadores está no nosso cronograma. A American Cup, que é um esquenta para Copa América, já está rolando todos os domingos e vai se tornar a Copa América virtual, com 16 seleções. Aos poucos, estamos mostrando nosso trabalho para Conmebol e, a princípio, eles estão gostando", concluiu.

O QUE É O FORMATO PRO CLUBS?
É um modo multiplayer online, 11 contra 11, do FIFA. Os jogadores compartilham o gramado com seus companheiros de equipe, cada um em uma respectiva função. Cada jogador em uma determinada função.

São 11 psicológicos e, por isso, é muito mais complexo que o modo convencional, o 1 contra 1, já que é preciso respeitar as posições, assim como em uma partida real.