Médico da FPF vê 'inconsequência' de campeonatos que seguem sendo disputados

Moisés Cohen alertou motivo pelo qual os campeonatos devem ser suspensos e citou outros países como exemplo

por Agência Estado

São Paulo, SP, 17 - Diretor médico da Federação Paulista de Futebol (FPF), Moisés Cohen explicou as decisões tomadas pela entidade em meio ao crescente número de casos do novo coronavírus, denominado Covid-19, em São Paulo.

Na última segunda-feira, a FPF suspendeu, por tempo indeterminado, o Campeonato Paulista. Cohen afirmou que a decisão segue medidas preventivas do Ministério da Saúde e explicou ter sido pensada com o intuito de amenizar a taxa de pico da doença.

"Nossa conduta foi sempre seguir rigorosamente o que o Ministério da Saúde determina. É ele quem consegue acompanhar os números e a velocidade da disseminação", afirmou, ao Estadão Esporte Clube, programa de debate esportivo do Grupo Estado.

MÉDICO DO SANTOS EXPLICA A MEDIDA

EXEMPLOS

O médico ressaltou que os países que enfrentam, ou enfrentaram, o ápice de contágio do novo coronavírus devem ser tidos como exemplo para a tomada decisões no Brasil.

"Temos uma história natural do que acontecerá aqui [tendo em vista o que já aconteceu nos outros países], com um aspecto de que não temos evidências de como esse vírus irá se comportar num país tropical. Temos que pensar naquilo que é fato e é em cima disso que estamos tomando conduta", disse.

Moisés Cohen criticou continuação dos Estaduais
Moisés Cohen criticou continuação dos Estaduais

PREVENÇÃO

Cohen ainda alertou que o motivo principal para a suspensão do Campeonato Paulista não gira em torno dos jogadores, mas nas consequências geradas em cadeia por uma partida de futebol.

"O problema não é o atleta propriamente dito. Se ele contrair coronavírus é provável que ele tenha um processo gripal corriqueiro.

Contudo, o indivíduo [que vence a partida] vai comemorar o resultado, vai numa balada, vai num bar fechado, vai dar um beijo em seus avós, nos pais e, assim, ele irá se tornar um vetor, um disseminador do coronavírus. O problema não é o jogo, o que nos preocupa, é o entorno", revelou.

INCONSEQUENTES

Apesar das recomendações dos órgãos estaduais e federais, não foram todas as federações futebolísticas que suspenderam seus campeonatos. Cohen acredita que manter o calendário, nesse momento, é um ato inconsequência.

"Esses lugares que estão mantendo campeonatos estão sendo no mínimo inconsequentes. O momento ruim não chegou ainda. Essa é a hora de cada um parar, ir para sua casa e ficar quieto. Daqui a 15, 20 dias é esperado o pico do coronavírus no nosso meio. Esses Estados precisam parar também, para que a conta não chegue mais cara consequentemente", alertou o médico.

Além do Paulista,também estão suspensos os Campeonatos Mineiro, Carioca e Gaúcho. A nível nacional, a CBF paralisou por tempo indeterminado todas as competições que organiza e que estavam em andamento. São elas: Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro Feminino A1 e A2, Campeonato Brasileiro Sub-17 e Copa do Brasil Sub-20.