Polícia diz que assassino entrou em contato com a família de Daniel

A jovem Allana Brittes também trocou mensagems com a mãe e a tia do jogador um dia depois do crime

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 03 (AFI) - Cada dia surge uma nova notícia envolvendo o assassinato brutal do meia Daniel, ex-Ponte Preta e São Paulo. De acordo com a Polícia Civil do Paraná, o empresário Edison Brittes Júnior entrou em contato com a família do jogador na segunda-feira, dois dias depois de cometer o crime.

Preso desde quinta-feira após assumir ter matado Daniel, Edison Brittes Júnior ligou para a mãe do jogador para desejar pêsames. O empresário deve ser ouvido pela Polícia Civil na segunda-feira.

Allana Brittes diz para a mãe de Daniel que está a caminho do IML para reconhecer o corpo do jogador
Allana Brittes diz para a mãe de Daniel que está a caminho do IML para reconhecer o corpo do jogador
Mas não foi só Edison que entrou em contato com a família do jogador. No domingo, a jovem Allana Brittes, de apenas 18 anos, trocou mensagens com a mãe e a tia de Daniel com o intuito de acobertar o crime cometido pelo pai na madrugada de sábado.

Pelo WhatsApp, Allana Brittes revela que estava a caminho do Instituto Médico Legal (IML) para reconhecer o corpo e pede para a mãe de Daniel ficar tranquila. Ao ficar sabendo da morte do jogador, a jovem diz: "Meu Deus eu não acredito nisso".

Na segunda-feira, ao perguntar sobre o velório de Daniel, Allana Brittes é questionada pela tia do jogador se houve alguma briga e responde: "Claro que não, imagina! Era minha casa! Ele só deu tchau, levantou e foi embora".

O CASO
Daniel Corrêa tinha 24 anos e foi encontrado sem vida em um matagal na Rua Augusto Micrute, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. O corpo apresentava sinais de tortura e, segundo o Instituto Médico Legal (IML), "ferimentos por arma branca".

Na última quinta-feira, Edison Brittes Júnior confirmou o crime e disse que fez isso porque o jogador estava tentando estuprar sua mulher, Cristiana Brittes. Daniel e outras pessoas foram para a casa do empresário após se divertirem em uma casa noturna em Curitiba.

Cristiana e Allana também estão detidas, pois são suspeitas de envolvimento na morte de Daniel. A Polícia ainda investiga a participação de mais três pessoas no crime.

 
 
" />