Com agrados, CBF e federações formam parceria no poder

Desde 1989 que o indicado da situação é eleito ou reeleito com apoio maciço dos presidentes das federações

por Agência Estado

Rio de Janeiro, RJ, 13 - Em abril de 2014, Marco Polo Del Nero foi eleito presidente da CBF, para assumir um ano depois, com votos de 26 das 27 federações estaduais. No mês passado, Rogério Caboclo foi eleito presidente da CBF, a partir de abril de 2019, com votos das 27 federações. Isso porque, o presidente da Federação Gaúcha, Francisco Novelletto, que se abstivera no pleito anterior, desta vez votou no candidato único.

Desde 1989 tem sido assim. O indicado da situação é eleito, ou reeleito, com apoio maciço dos presidentes de federações estaduais.

Esse apoio não é de graça. A CBF trata os presidentes de federações com muitos mimos. Convites para chefiar delegações da seleção em amistosos e torneios oficiais, criação de competições regionais e mesadas. Este ano, eles terão um "bônus": a ida à Copa do Mundo da Rússia, com todas as despesas pagas.

Rogério Caboclo foi eleito o presidente da CBF no mês passado ao receber todos os 27 votos das federações
Rogério Caboclo foi eleito o presidente da CBF no mês passado ao receber todos os 27 votos das federações
O "voo da alegria" levará os presidentes de federações - e de 10 clubes das séries A e B, definidos por sorteio - para assistir aos jogos do Brasil na primeira fase. Os convites foram feitos em fevereiro, mas a CBF nega que tiveram cunho eleitoral em favorecimento a Rogério Caboclo. Alega a entidade que a viagem tem como objetivo o aprimoramento dos dirigentes em nível administrativo.

ATÉ PARECE
Questionada pelo Estado sobre o tema, a entidade enviou na última sexta-feira a mesma nota divulgada em 26 de fevereiro em que diz entender que "a presença das federações é algo natural e importante por tratar do maior evento de futebol do mundo". Lembra a entidade que os dirigentes são responsáveis por administrar competições regionais e que não irão à Rússia a passeio.

"Além dos jogos da seleção, está sendo preparada uma agenda de trabalho para os dirigentes, com reuniões institucionais e atividades de acompanhamento da organização do evento".

AJUDA MÚTUA
Na prática, seja ano de Copa do Mundo ou não, os dirigentes de federações ajudam a CBF a manter quem quer no poder e são ajudados a permanecer no comando em seus Estados. Assim, alguns praticamente se eternizam.

É o caso de Francisco Cezário, que preside a Federação do Mato Grosso desde 1988 e no último dia 30 foi eleito para mais quatro - mandato que começa apenas em abril de 2019. É um dos cartolas que estão há 20 ou mais anos no poder. Mas está longe do campeão Zeca Xaud, há 44 anos à frente do futebol de Roraima. Ele tem 73 anos e tornou-se presidente aos 29.

Incentivo à longevidade não falta. Um deles é o "mensalinho", pelo qual são repassados às entidades estaduais R$ 75 mil a cada 30 dias, por meio do Programa de Assistência às Federações (PAF), além de outros R$ 25 mil destinados diretamente aos presidentes.

Criada por Ricardo Teixeira em 1993, a mesada, que na época era de R$ 8 mil, é considerada essencial pelas federações menores, que praticamente não têm receita advindas de competições e patrocínios. Os presidentes alegam que o dinheiro ajuda a financiar campeonatos de todas as categorias, torneios femininos e pagamento de arbitragem, entre outras despesas.

 
 
" />