Comissão de Ética da CBF terá canal de denúncias ainda esta semana

Através dele, qualquer pessoa poderá realizar denúncias contra dirigentes ou demais pessoas ligadas ao futebol brasileiro

por Agência Estado

Rio de Janeiro, RJ, 18 - A Comissão de Ética da CBF deve abrir seu canal de denúncias ainda esta semana. Segundo a entidade, faltam apenas "detalhes técnicos" para o site ir ao ar. Através dele, qualquer pessoa poderá realizar denúncias contra dirigentes ou demais pessoas ligadas ao futebol brasileiro, incluindo cartolas da própria entidade.

Da cúpula da CBF, o presidente Marco Polo Del Nero e o diretor de Assuntos Internacionais, Vicente Cândido, têm seus nomes envolvidos em polêmicas. Del Nero foi indiciado pela Justiça norte-americana e é investigado pelo Comitê de Ética da Fifa, enquanto Cândido, que é deputado federal pelo PT de São Paulo, foi citado em delação do executivo da Odebrecht Alexandrino Alencar. Ele teria recebido R$ 50 mil via caixa 2.

Os cartolas, porém, dificilmente terão seus casos analisados pela Comissão de Ética da CBF. Isso porque, em junho do ano passado, quando o Código da Ética teve seu texto final encaminhado, o então presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Caio Cesar Rocha, lembrou que o documento só teria efeito sobre casos constatados a partir da publicação do documento.

"Há uma limitação constitucional. No Brasil não é permitido criar um órgão de julgamento para investigar casos passados. Ele olha para o futuro, salvo em eventuais práticas continuadas", disse Rocha, na ocasião.

De todo modo, nesta terça-feira o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, saiu em defesa de Vicente Cândido. "A denúncia não significa culpa. É preciso tomar muito cuidado com esse espírito, tem todo um processo de investigação", disse. "O Vicente tem sido um diretor de Relações Internacionais muito consistente. Tem trabalhando bastante."

Apesar disso, Feldman assegurou que todos os casos que chegarem à comissão serão motivo de análise. "Se for apresentado alguma coisa à comissão, ela vai analisar e vai julgar se arquiva ou dá andamento", afirmou.