Corintianos presos no Rio pedem transferência por medo de briga entre facções

"Mais dia menos dia a cadeia vai virar e nós estamos aqui no meio de duas facções, correndo risco de vida", diz trecho de carta

por Agência Estado

São Paulo, SP, 13 - Um grupo de corintianos que permanece detido na cadeia pública José Frederico Marques, conhecida como Bangu 10, no Complexo de Gericinó, escreveu uma carta à torcida organizada Coringão Chopp pedindo ajuda para serem transferidos da unidade prisional por medo de briga entre facções criminosas. No total, 27 corintianos acusados de participar de uma briga nas arquibancadas do Maracanã estão detidos desde 23 de outubro do ano passado.

Três dias após a briga, ocorrida pouco antes do jogo entre Flamengo e Corinthians, pelo Brasileirão, 31 corintianos foram levados a uma ala de Bangu 10, cadeia que serve de triagem para o Complexo de Gericinó, para aguardar julgamento. Desde então, apenas quatro conseguiram habeas corpus para responder ao processo em liberdade. Os demais permanecem detidos.

Corintiano presos no Bangu 10 após briga no Maracanã pedem para serem transferidos com medo de brigas entre facções
Corintiano presos no Bangu 10 após briga no Maracanã pedem para serem transferidos com medo de brigas entre facções
TENSÃO EM TODO PAÍS
Eles estão confinados em celas separadas dos demais presos, mas a tensão que atinge os presídios do País desde o início do mês agora se reflete também na prisão dos corintianos. Isso porque na primeira semana deste mês, pelo menos 300 presos na Penitenciária Jonas Lopes de Carvalho (Bangu 4) foram transferidos para a cadeia onde estão os corintianos. Esses presos seriam integrantes da facção Amigos dos Amigos (ADA), e foram trocados de unidade por chance de briga com uma facção rival.

"O que acontece é o seguinte: depois que os caras tomaram a cadeia, estamos vivendo no nosso limite, sem direito a água, pão e rango. Parça, a cadeia tá tensa, mais dia menos dia a cadeia vai virar e nós estamos aqui no meio do fogo cruzado, no meio de duas facções, correndo risco de vida", diz trecho de carta escrita à mão e endereçada a Lúcio Fagundes, presidente da torcida organizada Coringão Chopp. O manuscrito está assinado por quatro corintianos, conhecidos como Vinícius, "Mon", Barroso e "Pequenino".

A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) do Rio foi procurada pela reportagem do Estado de S. Paulo, mais ainda não se posicionou.

aaa