BLOG DO ARI: Jogadores tiraram o brilho da importante vitória do Guarani

O lateral-esquerdo Bidu e volante Rodrigo Andrade brigaram no braço ao final da partida e ficam fora do Dérbi

por Agência Futebol Interior

Que final de jogo dramático no Estádio Brinco de Ouro, na noite deste domingo!

A vitória do Guarani sobre o Novorizontino por 2 a 1 nem pode ser comemorada, como manda o figurino, pelo registro de um fato inédito às véspera de um dérbi: lateral-esquerdo Bidu e volante Rodrigo Andrade brigaram no braço ao final da partida, e ambos foram expulsos.

Logo, terão que cumprir suspensão automática na partida de quarta-feira contra a rival Ponte Preta, no Estádio Moisés Lucarelli.

Uma vitória que se desenhava aparentemente fácil do Guarani por 2 a 0 até os 32 minutos do segundo tempo, foi colocada em risco a partir daí.

A rigor, o Guarani teve até possibilidade de ter ampliado o placar pelas chances criadas, que exigiram defesas do goleiro Giovanni, do Novorizontino.

ANDRIGO

Aí, o imponderável do futebol entrou em campo quando o meia Andrigo, machucado, pediu substituição, dando vaga a Régis.

Prematuramente, não se tinha o diagnóstico da gravidade da contusão do atleta, mas como aparentemente se lesionou sozinho, não se descarta a hipótese de desconforto muscular que, se confirmado, pode até tirá-lo do dérbi de quarta-feira.

A partir daquele momento que a vitória do Guarani foi colocada em risco.

DANIELZINHO

No tempo restante de jogo o Novorizontino chegou ao gol de falta através de Danielzinho, aos 43 minutos, ocasião que a barreira bugrina se abriu, e por ali a bola passou, não dando chances de defesa ao goleiro Rafael Martins.

A vitória só não foi pras 'cucuias', já nos acréscimos, porque o atacante Jenison, do Novorizontino, 'penou' a bola em cobrança de pênalti, marcado pelo VAR, quando a bola tocou no braço do lateral-direito Pablo dentro da área.

RITMO INTENSO

Enquanto o Guarani entrou em campo a 100 por hora, o Novorizontino esteve de com freio de mão puxado, ainda querendo se aquecer com a bola em andamento.

Foi aí que o Guarani impôs ritmo forte de marcar saída de bola do adversário, avançar as linhas, e assim ter o domínio total daqueles primeiros minutos, tanto que, até chegar ao gol, aos nove minutos, já havia exigido três defesas do goleiro Giovanni.

Primeiro num chute cruzado do atacante Bruno Sávio. Depois em sequências de lances com cabeçada de Davó e finalização de Júlio César, no rebote.

Aí, com o Novorizontino assustado em campo, o Guarani chegou ao gol em jogada que começou a ser construída pelo meia Andrigo, que apareceu na área para completar, de cabeça, cruzamento do atacante Bruno Sávio e bola desviada no lateral Paulinho, do Novorizontino.

FREADA

Era natural se prever que o Guarani reduziria aquele ritmo intenso, mas nem por isso se descuidou de marcação em seu campo defensivo, praticamente nada permitindo de chance cruciais ao Novorizontino durante o primeiro tempo, enquanto o goleiro Giovanni, do time visitante, ainda foi obrigado a trabalhar em chute forte, do meio da rua, de Andrigo.

JÚLIO CÉSAR

O Guarani ampliou a vantagem em belo gol do atacante Júlio César que, de letra, tocou na bola em cruzamento da direita através de Bruno Sávio, em mais uma jogada que ele ganhou do lateral-esquerdo Paulinho - ex-jogador em atividade -, aos seis minutos.

Aí, mesmo pautando por administrar a vantagem, o Guarani criou situações de gols em lances consecutivos que o goleiro Giovanni e trave salvaram o Novorizontino: primeiro na conclusão de Andrigo; posteriormente através de Bidu, no rebote.

TROCAS

Com a vantagem aparentemente consolidada, o treinador Allan Aal começou até poupar jogadores bugrinos, com saídas de Davó e Bruno Sávio para entradas de Rafael Costa e Matheus Sousa, sem imaginar que na sequência seu time correria risco.

Resta saber como o departamento de futebol do Guarani vai administrar o problema criado pelo jogadores expulsos em inexplicável infantilidade, e sobre a lesão de Andrigo.