Em 2006, rodada decisiva definiu recorde de acessos inéditos para a elite

Grêmio Barueri, Sertãozinho, Rio Claro e Guaratinguetá garantiam participação na Série A1 pela primeira vez

por Federação Paulista (FPF)

Campinas, SP, 20 - A Série A2 viveu um dia histórico em 20 de maio de 2006. Com a rodada final da segunda fase disputada naquela data, quatro equipes conseguiram o acesso para a elite pela primeira vez em suas histórias. Desde que a Lei do Acesso do Paulistão teve início, em 1948, esse é o número recorde de promovidos inéditos em um mesmo ano.

Disputada por 20 equipes, a competição teve a primeira fase dividida em dois grupos regionalizados. Pelo Grupo 1, se classificaram Sertãozinho, União São João, Rio Preto e Taquaritinga. No Grupo 2, avançaram Grêmio Barueri, Palmeiras B, Rio Claro e Guaratinguetá. Eles se dividiram em outros dois grupos, que foram marcados pelo equilíbrio e tiveram disputa acirrada até o final.

O Rio Claro foi um dos times que conquistou o acesso
O Rio Claro foi um dos times que conquistou o acesso
No Grupo 3, Sertãozinho, Taquaritinga e Rio Claro decidiam os acessos. No confronto direto, em Sertãozinho, o time local venceu por 2 a 0 garantindo a liderança da chave com 12 pontos. Participante da elite em 1983, 1984 e 1993, o Taquaritinga ficou na dependência da outra partida, disputada no Palestra Itália. Sem chance de conquistar o acesso, tanto por pontuação quanto pelo fato do time principal disputar a Série A1, o Palmeiras B não conseguiu segurar o ímpeto do Rio Claro, que também venceu por 2 a 0 e terminou com dez pontos, contra oito do Taquaritinga e quatro do alviverde.

O Grupo 4 estava ainda mais disputado, com todas as equipes ainda com chances. Líder antes do início da rodada, o Guaratinguetá visitou o Grêmio Barueri. O time da casa venceu, de virada, por 2 a 1, e assumiu a liderança, com dez pontos. Com nove, a equipe do Vale do Paraíba ficou na dependência do resultado da partida entre União São João e Rio Preto. Em Araras, o visitante precisava da vitória, enquanto os locais só subiriam se o Barueri tropeçasse. No fim, a vitória por 4 a 0 do União São João acabou eliminando as duas equipes, que somaram oito e sete pontos, respectivamente.

HISTÓRIAS DISTINTAS, MAS PONTO EM COMUM
Os acessos do dia 20 de maio de 2006 foram históricos e levaram para a elite times de perfis diferentes, mas com um ponto em comum: todos haviam estado, há menos de 10 anos, na última divisão do futebol paulista (Série B2, até 2000, e Série B3, depois).

O Grêmio Barueri, que se profissionalizou apenas em 2001, completou uma série de cinco acessos seguidos, da B3 para a A1, sendo até hoje o único time que conseguiu subir cinco divisões do futebol paulista.

Também jovem, o Guaratinguetá começou sua jornada profissional em 2000, dois anos depois da última participação da Esportiva, que representou a cidade até 1998 e havia disputado a elite entre 1961 e 1964.

Mais velho entre os clubes, o Rio Claro estava próximo do seu centenário. Fundado em 1909, o clube havia passado pelas diversas mudanças do futebol paulista desde então. Integrante da Série B2 em 2001, com o acesso, superava uma desigualdade com o rival Velo Clube, que disputou a elite em 1979.

Por fim, o Sertãozinho, fundado em 1944, disputava sem interrupção os torneios da FPF desde 1970, ano em que estreou no profissionalismo. Entre acessos e quedas, estava na Série B2 em 1998 e foi aos poucos ganhando espaço no futebol paulista.