Catanduva Futebol Clube é o novo clube profissional do estado

Com desconto para se filiar à FPF, o clube já inicia projeto para a Segundona do Campeonato Paulista

por Oscar Silva

Catanduva, SP, 17 (AFI) - Agora é oficial: a cidade de Catanduva com 120 mil habitantes tem mais um clube de futebol profissional, o Catanduva Futebol Clube. Com isso, a Federação Paulista de Futebol contará com mais um filiado a partir de 2018. Na cidade, já existe o Grêmio Catanduvense de Futebol.

Padre Osvaldo de Oliveira Rosa é o idealizador do Catanduva FC (Foto: Oscar Silva)
Padre Osvaldo de Oliveira Rosa é o idealizador do Catanduva FC (Foto: Oscar Silva)
Idealizado pelo padre Osvaldo de Oliveira Rosa (foto), responsável pela Escolinha de Futebol "Padre Osvaldo", projeto social que acolhe cerca de 300 garotos, o Catanduva Futebol Clube é o mais novo integrante do futebol paulista. A nova agremiação foi anunciada oficialmente na última quinta-feira, na Paróquia Imaculada Conceição, no bairro Bom Pastor.

A escolinha foi criada em 2010, com 100 garotos. A data de fundação do CFC registrada é 16 de novembro de 2017. As cores do novo integrante do interior paulista será azul, amarelo, branco e vermelho, representando a bandeira do município.

Além do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, o Catanduva vai disputar as categorias menores organizada pela Federação Paulista de Futebol como o Sub 11, 13, 15 e Sub 17, que será dirigido pelos treinadores Zião, Deião, Vinícius, Jajá, e com o coordenador do projeto, Renato.

Para comandar o time na Segundona Paulista foi contratado o técnico Ney Júnior, que contará ainda com o treinador de goleiros Nivaldo, que estava no Maringá-PR. A data de apresentação visando a competição será no dia 23 de janeiro.

(Foto: Oscar Silva)
(Foto: Oscar Silva)
CUSTO
Tendo como primeiro presidente Carlos André de Freitas, indicado pela parceria com o São Caetano. O clube ganhou desconto de 70% para se filiar junto a Federação Paulista de Futebol(FPF). Dos R$ 800 mil cobrados habitualmente cobrado para os novos clubes filiados, o Catanduva Futebol Clube pagou apenas R$ 240 mil, parcelados em seis vezes.

PADRE COM A PALAVRA
Segundo o pároco, o crescimento inesperado do projeto social foi o verdadeiro 'estopim' para a criação do Catanduva FC.

"A Escolinha (de Futebol Padre Osvaldo) foi crescendo, foi aparecendo alguns meninos 'bons de bola' e nós procuramos parcerias com clubes. No entanto, percebemos que os clubes não teriam condição de absorver todos os nossos meninos. Então, para dar 'vazão' a eles, para dar continuidade ao sonho deles, surgiu a necessidade de filiar um clube para federar os meninos. Nós estivemos na Federação Paulista, no último dia 3 de outubro juntamente com o prefeito municipal Afonso Machiore, entre outros políticos reunidos com o presidente Reinaldo Carneiro Bastos, e sacramentamos a necessidade da criação da equipe", disse Osvaldo que será o presidente do Conselho Deliberativo.

Afonso Machiore falou da nova agremiação na cidade e da existência do Grêmio Catanduvense (Foto: Oscar Silva)
Afonso Machiore falou da nova agremiação na cidade e da existência do Grêmio Catanduvense (Foto: Oscar Silva)
CADA UM POR SI
Em entrevista ao repórter, Oscar Silva, do Portal Futebol Interior, o chefe do executivo catanduvense Afonso Machiore falou da nova agremiação na cidade e da existência do Grêmio Catanduvense.

"Fui sempre ligado ao esporte inclusive no tempo de jovem carreguei muita sacola de roupa de uniforme, bola. O projeto do padre é um projeto excelente que é um engrandecimento para a nossa cidade cujo trabalho feito é de extrema necessidade na qual são mais de 300 jovens participando e que é importante que esses jovens posam buscar a possibilidade no futebol profissional. Muitos desiste no caminho, mas tendo uma possibilidade de desenvolvimento, lógico que é bom pra todos eles e para a nossa comunidade", continuou.

"Nós não temos envolvidos e tivemos por determinação da promotoria fazer um decreto que o estádio municipal Sílvio Salles, só pode ser alugado mediante pagamento. Então, isso está liberado para todas as entidades que queiram usufruir. Diretamente da prefeitura nós ajudávamos no passado com o esporte amador. Também temos processo em andamento ai pela promotoria alegando que não poderíamos fazer ajuda nem no amador nem no basquete porque eles tem patrocínio e no profissional os atletas recebem por isso", diz.

"O mesmo acontece com as meninas no basquete. Com isso, ficamos impedido de fazer qualquer tipo de auxilio.Não posso me envolver nem de um lado nem do outro. A gente faz o apoio moral que é deixar o estádio em condições para a prática, mas não temos como se envolver. O primeiro derby com certeza vou torcer pelo empate afinal de constas são dois clubes da nossa cidade", finalizou Machiore (camisa branca).

 
 
" />