Flávio Guerra comenta sobre polêmica do Fla-Flu e outros lances do Brasileirão

Após erros de árbitros, Flávio sugere uma mudança no sistema de sorteio feito pela CBF

por FLÁVIO GUERRA - Campinas

Campinas, SP, 18 (AFI) - E o jogo entre Fluminense e Flamengo realizado no último dia 13 parece que ainda não terminou. A polêmica do gol anulado do Fla-Flu da última quinta-feira continua. O programa Esporte Espetacular da rede globo convocou um especialista em leitura labial para mostrar o que os jogadores e membros da arbitragem disseram durante os 13 minutos em que o jogo ficou paralisado. Vários jogadores alertam o árbitro Sandro Meira Ricci que as imagens da TV mostravam que o gol havia sido ilegal. E, antes da decisão final, Ricci é alertado também pelo inspetor de arbitragem da partida, Sérgio Santos, que diz: “A TV sabe. A TV sabe que não foi gol”. Após essa informação o gol do Fluminense é anulado.

NOVO JOGO
O que pode ser anulado também é o próprio jogo. O Fluminense entrou com o pedido de impugnação da partida e o pedido foi aceito pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), os próximos passos serão todos dados nos bastidores.

A decisão sairá de um julgamento que deve ser marcado até, no máximo, o início da próxima semana. A FIFA proíbe o uso da tecnologia e interferência externa nas decisões da arbitragem e se realmente ficar provado que o árbitro mudou sua decisão depois da informação do inspetor de arbitragem a partida pode ser anulada.

Flávio Guerra analisa polêmica do Fla-Flu e diz que jogo pode ser anulado - Divulgação/Flamengo
Flávio Guerra analisa polêmica do Fla-Flu e diz que jogo pode ser anulado

RODADA NEGRA
Essa 31ª rodada do Brasileirão teve de tudo e foi uma rodada negra para a arbitragem. Aconteceram erros gravíssimos onde interferiram diretamente no resultado final dos jogos e consequentemente na classificação do campeonato.

Nos jogos Figueirense x Palmeiras e Botafogo x Atlético-MG, destaques negativos para os árbitros Igor Benevenuto e Wagner Reway respectivamente. Por estes jogos mostraram que não tem condições nesse momento de apitar jogos da série A, mesmo já sendo, pasmem, aspirantes FIFA, ainda precisam ganhar mais experiência para comandar grandes jogos.

BOICOTE?
Depois de tantas polêmicas com arbitragem nas duas últimas rodadas com erros primários dos homens de preto, que inclusive pode ter até jogo anulado, presidentes de clubes dizendo que o campeonato já está manchado, fico pensando, será que estão tentando boicotar o novo presidente da comissão de arbitragem o Coronel Marinho?

Sabemos que muitos árbitros não aceitaram a troca de comando e pensavam, ruim com ele (o antigo presidente) pior sem ele, pois vários foram promovidos de categoria sem o mínimo de condições e estavam tendo oportunidades que nunca tiveram antes. Talvez seja apenas coincidência, coisas do futebol.

MUDANÇA NO SORTEIO
Será que depois de tudo que aconteceu será mantido esse tosco sistema de sorteio? Será que o Coronel Marinho não percebeu que isso não funciona. Já escrevemos aqui que o mais simples é o melhor sistema, pois você consegue escalar os melhores, nos jogos mais importantes sem ficar dependendo da sorte.

O jogo entre Botafogo e Atlético-MG também chamou atenção de Flávio Guerra para as más atuações dos árbitros - Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG
O jogo entre Botafogo e Atlético-MG também chamou atenção de Flávio Guerra para as más atuações dos árbitros

O estatuto obriga a realização do sorteio mas não define como. As entidades tem autonomia para fazerem do jeito que acharem conveniente. Todo mundo é contra o sorteio isto esta claro. Já passou da hora de clubes, Federações, CBF e outros envolvidos no futebol se mobilizarem para mudar esse absurdo. Detalhe o Brasil é o único Pais do mundo que a escala de árbitros é feita através de sorteio.

FALOU TUDO
Pra que profissionalizar, qualificar e oferecer todos os recursos, inclusive da TV, para a arbitragem minimizar seus erros? Se o dirigente não terá mais como desviar o foco nas derrotas e usar os equívocos até de um jogo do qual seu time não participou para pressionar e, mais à frente, ser beneficiado na dúvida? Se o jogador não vai precisar justificar sua má atuação ou a falha num lance decisivo porque elas ficam soterradas no noticiário? Se o torcedor terá como responder aos memes e às zoações dos rivais dizendo que foi ''roubado'' e que ''está tudo armado'' para o rival – quando é o seu time beneficiado o refúgio, claro, é o ''Chora mais''? Se para o comentarista que adora polêmica e pouco entende do que acontece dentro do campo é muito mais cômodo passar as horas dos intermináveis programas de debate discutindo os inúmeros replays que os árbitros não têm na fração de segundos em que precisam decidir?

É óbvio que o trabalho dos árbitros pode e deve ser fiscalizado e investigado constantemente. Se há a presunção de inocência – alguém só é culpado se algo for provado – a história também mostra que ninguém está acima de qualquer suspeita. Mas quem se importa? É bem mais confortável ter alguém para terceirizar a responsabilidade. Por isso o descaso. A arbitragem é a grande bengala do futebol brasileiro. Texto do Blog do André Rocha no UOL.

FLÁVIO GUERRA
Tenho 37 anos e sou professor de Educação Física desde 1999 e hoje trabalho como Diretor de Unidade na Fundação Casa em Campinas, onde iniciei em 2008 como agente educacional dando aulas de educação física para os adolescentes. Com 15 anos de idade comecei a apitar futebol amador em Penápolis minha
Veja perfil completo
Veja todos