Assim mata o véio! Presidente da FPF põe detetive para seguir ex-namorada "boazuda"

Del Nero estaria desconfiado de uma possível traição por parte dela

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 07 (AFI) – Depois que os oficiais da Operação Durkheim, da Polícia Federal, estiveram na casa do Presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Marco Polo Del Nero (foto), onde os policiais apreenderam documentos e computadores, foi descoberto através desses matérias, que Del Nero estaria usando os computadores, e-mails e telefone da entidade para se comunicar com detetives particulares para seguir sua namorada.

O presidente que é investigado pela PF, onde é suspeito de quebra de sigilo telefônico, bancário e fiscal, teria trocado correspondência com investigadores particulares, que estariam monitorando por meios telefônicos a sua companheira. Além de poder ter sido rastreada via telefone, os detetives particulares estariam também seguindo a moça pelas ruas de São Paulo.

O motivo segundo depoimento de Del Nero, à Polícia Federal, ele estaria desconfiado de uma possível traição por parte dela.

De acordo com esse depoimento, Del Nero havia acertado com dois detetives. O primeiro já estaria trabalhando para o presidente há cerca de um ano, e o outro há apenas alguns meses.

Nesta operação, a Polícia Federal investiga lavagem de dinheiro, grampos e obtenção ilegal de sigilo fiscais e bancários. Marco Polo Del Nero não é peça central no esquema, mas teria acesso a dados de sigilos ilegais.

Ao todo, a PF deve indiciar 73 pessoas, sendo 33 delas consideradas peças centrais do esquema e que já tiveram suas prisões preventivas decretadas. 25 estão detidas, restando apenas oito. Faziam parte deste esquema: policiais, funcionários públicos, de empresas de telefonia e de bancos que obtinham os dados.