ONDE ANDA: Valderrama, o famoso homem da cabeleira

por Agência Futebol Interior

O personagem do Onde Anda é um jogador que se destacou no cenário <font face="Verdana">mundial mais por sua vasta cabeleira do que propriamente por seu futebol. Estamos falando de </font><font face="Verdana">Carlos Valderrama, considerado maior jogador da história do futebol colombiano.<br /> </font>

disputaram Copas do Mundo. Desta vez, o personagem é um jogador que se destacou no cenário Campinas, SP, 26 (AFI) - O Onde Anda desta semana dá sequência a série especial de jogadores que mundial mais por sua vasta cabeleira do que propriamente por seu futebol. Estamos falando de Carlos Valderrama, considerado maior jogador da história do futebol colombiano.

Confira também:
Grandes fecham contrato milionário com a Globo pelo Paulistão

Natural da cidade de Santa Marta, na costa do Caribe colombiana, Carlos Alberto Valderrama Palacio, iniciou sua carreira no pequeno Unión Magdalena, clube que hoje disputa a segunda divisão do país.
Depois de pouco mais de dois anos pelo clube, Valderrama foi contratado pelo Millionarios, em 1984, onde começou a ganhar projeção nacional. No time de Bogotá, contudo, ele ficou por apenas uma temporada. No ano seguinte, foi atuar pelo América de Cali.

No time vermelho, ele viveu grandes momentos. Lá ele fez parte do grande time comandado pelo técnico Vladimir Popovic. Ao lado de Bernardo Redín, formou uma dupla que levou a equipe a dois vice-campeonatos colombianos (1985 e 86). As boas atuações despertaram a atenção do Montpellier, da França, para aonde embarcou em 1988.

Saída para o exterior
Em dois anos na equipe, Valderrama teve boas atuações e ainda conquistou a Copa da França, em seu ano de despedida, em 1990.

Foi defendendo o Montpellier que o colombiana. Disputou a Copa América de 1989, no Brasil, caindo na primeira rodada, além de levar meia conseguiu suas primeiras convocações para a seleção o país ao sua primeira Copa, em 1990, na Itália. Caiu nas oitavas contra Camarões. Na temporada seguinte, ele transferiu-se ao Valladolid, da Espanha. Em terras espanholas, o

jogador sentiu-se em casa. Seu treinador era Francisco Maturana, que dirigira a Colômbia nos anos anteriores. Além disso, tinha a companhia do goleiro fanfarrão René Higuita.

Retorno à Colômbia
Do Valladolid, Valderrama voltou para a Colômbia para jogar no Independiente de Medellín, em 1992. Embora tenha sido um dos destaques do campeonato nacional daquele ano, o jogador não conquistou título algum pela equipe.O mesmo não aconteceu nos anos seguintes, quando teve campanhas vitoriosas pelo Junior de

Barranquilla. Foi bicampeão colombiano (93 e 95) e ainda chegou às semifinais da Libertadores, em 94, perdendo apenas para o campeão Vélez Sarsfield-ARG.

Em terras ianques
Vivendo a melhor fase de sua carreira Valderrama foi convocado para a Copa de 94, mas a Colômbia decepcionou ao ser eliminada na primeira fase. Em 96, ele decidiu aventurar-se pelo futebol dos Estados Unidos defendendo Tampa Bay Mutiny (1996-97 e 99-2001), Miami Fusion (98) e Colorado Rapids (2001-2002).

Neste período, ele ainda disputaria sua última Copa, a da França, em 1998, sendo eliminado também na primeira fase. No futebol norte-americano, ele virou ídolo e terminou com o recorde de assistências -114 passe para gols.O meia pendurou oficialmente as chuteiras em 1º de janeiro de 2004, no Estádio Metropolitano de Barranquilla. O jogo festivo contou com ex-jogadores da seleção colombiana e amigos pessoais do jogador, como o paraguaio Chilavert, o argentino Maradona e o uruguaio Francescoli.



Aposentadoria
Atualmente com 48 anos, Valderrama atua como dirigente esportivo do Junior de Barranquilla. Ele está na função desde o segundo semestre de 2007 e, por enquanto, não conquistou nenhum título de grande importância.