Conmebol confirma Ponte x São Paulo no Majestoso... Até quando?

Tricolor faz pressão nos bastidores para tirar o duelo do Estádio Moisés Lucarelli

por Agência Futebol Interior

O local do jogo de volta entre Ponte Preta e São Paulo, pelas semifinais da Copa Sul-Americana, virou alvo de uma batalha política entre os dois clubes. A Macaca se apoia em uma informação da Conmebol, que já divulga o Majestoso como palco de decisão

Campinas, SP, 11 (AFI) – O local do jogo de volta entre Ponte Preta e São Paulo, pelas semifinais da Copa Sul-Americana, virou alvo de uma batalha política entre os dois clubes. De um lado, o Tricolor faz pressão para tirar o duelo do Estádio Moisés Lucarelli, que não teria capacidade mínima de 20 mil torcedores. Do outro, a Macaca se apoia em uma informação da Conmebol, que já divulga o Majestoso como palco de decisão.

Site da Conmebol confirma jogo no Majestoso

Na tarde desta segunda-feira, a assessoria de comunicação do time alvinegro divulgou uma nota anunciando o local das semifinais: “As duas partidas serão realizadas em quartas-feiras, ambas no mesmo horário: 21h50. O jogo de ida será no Morumbi, no dia 20 de novembro. O da volta, no Majestoso, está marcado para 27 de novembro”, publicou.

Temendo perder o direito de fazer o jogo decisivo em casa, a Ponte divulgou no último sábado um laudo (ver abaixo) com o redimensionamento do Majestoso, feito após vistoria do Corpo de Bombeiros, em setembro. Conforme o documento, o local está apto para comportar 27.946 pessoas.

Este laudo, na visão da Ponte, garante a segunda semifinal no Moisés Lucarelli. O clube ainda divulgou que a carga total de ingressos para o duelo de ida das quartas contra o Vélez Sarsfield-ARG (0 x 0) foi de 20,9 mil.

Versão tricolor
Para mudar o local do jogo, a diretoria do São Paulo se apoiam nos laudos apresentados no site das Federação Paulista de Futebol (FPF). Segundo os documentos presentes no site da entidade, teria condições de receber apenas 16,9 mil torcedores – número inferior a capacidade mínima de 20 mil lugares exigida pela Conmebol para uma semifinal.

“O São Paulo é sempre cobrado pelo regulamento. Então queremos que o regulamento seja cumprido. Sabemos que existe uma grande rivalidade e nos preocupamos com segurança, com problemas que possam acontecer fora dos gramados”, o vice-presidente de futebol João Paulo de Jesus Lopes, que usa as informações da FPF para mudar o local.

Em 2005, o Atlético-PR passou pela mesma situação que a Ponte e acabou se dando mal. O Sampa também travou uma batalha política ao contestar o fato da Arena da Baixada não ter capacidade mínima de 40 mil lugares – mínimo exigido para finais. No final, o jogo aconteceu no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, e facilitou a vida tricolor para a conquista do título.

Confira o documento divulgado pela Ponte Preta: