Seleção FI do Brasileirão vem com 'dançarino', paredão e quinteto estrelado

Cuca, do Palmeiras, foi o escolhido para comandar uma equipe cheia de craques

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 19 (AFI) - Em rodada de clássicos, o Palmeiras assegurou a liderança ao passar pelo Corinthians, em pleno Itaquerão, por 2 a 0. Em Belo Horizonte, Cruzeiro e Atlético-MG ficaram no empate por 1 a 1, resultado que não foi bom para ambas as equipes. O Flamengo, que pegou o Figueirense, venceu por 2 a 0 e seguiu na cola do Alviverde, ainda com 'cheirinho' no ar.

Com os destaques da 26ª rodada, a Seleção FI foi definida. A equipe vem 'montada' pelo técnico Cuca no esquema 3-5-2, com um meio de campo cheio de craques. Moisés, Gustavo Scarpa, Robinho, Diego e Vitor Bueno fazem as honras para um ataque sem muita badalação, mas que sabe fazer gols, méritos para Tiaguinho e Keno.

Mais dois jogadores chamaram a atenção na rodada. Sidão defendeu um pênalti de Diego Renan e se transformou em uma paredão na vitória do Botafogo sobre o Vitória. Pelo Palmeiras, Mina fez mais um gol em clássico, já são três, e com direito a dancinha e tudo o mais. Caiu nas graças da torcida.

Confira a Seleção FI da 26ª rodada do Brasileirão:

Sidão (Botafogo);

Yerri Mina (Palmeiras), Juninho (Coritiba) e Rafael Vaz (Flamengo);

Moisés (Palmeiras), Gustavo Scarpa (Fluminense), Robinho (Cruzeiro), Diego (Flamengo) e Vitor Bueno (Santos);

Tiaguinho (Chapecoense) e Keno (Santa Cruz)

Técnico: Cuca (Palmeiras)

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Goleiro: Sidão (Botafogo)
O Vitória tomou as rédeas do jogo logo no primeiro tempo e Sidão segurou os ataques dos baianos, que pressionavam. Além das defesas difíceis com a bola rolando, ogoleiro defendeu um pênalti de Diego Renan, quando a partida estava 0 a 0. Após seu time marcar no fim do 1º tempo, Sidão teve trabalho em dobro no segundo tempo e deu conta do recado.

Mina virou o 'Rei dos Clássicos' pelo Palmeiras - Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
Mina virou o 'Rei dos Clássicos' pelo Palmeiras

Zagueiro: Yerri Mina (Palmeiras)
Chegou ao Palmeiras mostrando muita humildade e caiu nas graças da torcida logo que tirou o tênis para pisar nos gramados da Arena pela primeira vez. Sofreu com lesão logo de cara, mas virou 'Rei dos Clássicos' ao marcar contra Santos, São Paulo e Corinthians. Fez uma partida taticamente perfeita diante do Timão, que pouco ameaçou o gol de Jaílson. Além de ser unanimidade lá atrás, está mostrando todo seu faro de gol no ataque.

Zagueiro: Juninho (Coritiba)
Seguro, Juninho vem fazendo uma grande campanha pelo Coritiba no Brasileirão. O jogador vem sendo regular desde o início do torneio e tem sido peça importante na luta contra o rebaixamento. Voltou a ser um dos destaques na vitória por 1 a 0 diante do Sport, em plena Ilha do Retiro.

Zagueiro: Rafael Vaz (Flamengo)
Faz parte de um sistema defensivo de tirar o chapéu ao lado de Réver, além de viver um bom momento assim como todo time do Flamengo, que dominou o Figueirense e venceu com uma certa tranquilidade. O defensor deu assistência brilhante para o gol de Willian Arão e não deu espaço algum para o adversário surpreender. Vem sendo um dos pilares da equipe.

Robinho voltou a brilhar em um clássico
Robinho voltou a brilhar em um clássico

Volante: Moisés (Palmeiras)
Abriu o caminho do Palmeiras rumo ao título. Moisés chegou como um dos reforços menos badalados para a temporada 2016 e vem sendo o principal nome do meio de campo do técnico Cuca. Além de dar segurança aos defensores, aparece bem no ataque e em bola paradas. Colocou o Corinthians na rodada no clássico e ainda fez o gol que encaminhou a vitória alviverde. Tem também jogado no sacrifício.

Meia: Gustavo Scarpa (Fluminense)
O Fluminense não tem um dos elencos mais fortes do Campeonato Brasileiro, mas vem se virando bem com o que tem. E dentro dessa realidade, Gustavo Scapa soube chamar a responsabilidade e, apesar da pouca idade, se tornou referência técnica no meio de campo. Nesta rodada, salvou o Flu novamente com o único gol da vitória sobre o Grêmio fora de casa.

Meia: Robinho (Cruzeiro)
A má fase de Robinho parece ter chegado ao fim. No clássico em que muito se esperava do xará do Atlético-MG, foi o Robinho do Cruzeiro quem se destacou e garantiu o empate da Raposa no final com o gol que garantiu o 1 a 1 no placar. O meia já era decisivo em clássicos pelo Palmeiras, e parece ser pé quente também na Raposa.

Diego vem guiando o Flamengo na briga com Palmeiras pelo título
Diego vem guiando o Flamengo na briga com Palmeiras pelo título

Meia: Diego (Flamengo)
Mais uma vez, Diego comandou o Flamengo na vitória por 2 a 0 sobre o Figueirense. Mostrando vontade em cada bola, o jogador fez bem o papel de articulador e deixou seus companheiros na cara do gol. Se não fosse a manhã nada inspirada de Leandro Damião, Diego poderia ter deixado o jogo com algumas assistências. Mesmo assim, anotou seu gol em cobrança de pênalti.

Meia: Vitor Bueno (Santos)
Como Lucas Lima tem sido muito bem vigiado pelos adversários, a missão de armar as jogadas ofensivas do Peixe tem ficado com Vitor Bueno. Ele participou diretamente do primeiro gol, fez passes preciosos para os companheiros e depois marcou um golaço para fechar a vitória em cima do Santa Cruz, por 3 a 2, domingo, no Pacaembu, com mais de 28 mil torcedores.

Jean Mota foi o destaque do Santos contra Santa Cruz
Jean Mota foi o destaque do Santos contra Santa Cruz

Atacante: Tiaguinho (Chapecoense)
Um achado do técnico Caio Júnior. O treinador deu chances para o atacante Tiaguinho, que tem brilhado para deixar a Chapecoense bem longe da zona de rebaixamento. O jogador foi a principal arma ofensiva no empate, por 2 a 2, contra a Ponte Preta, tendo, inclusive, marcado os dois gols do Verdão.

Atacante: Keno (Santa Cruz)
Uma luz no fim do túnel do Santa Cruz. Com Grafite apagado, Keno chamou a responsabilidade e tem tentado tirar o Coral da difícil situação em que vive no Brasileirão. Fez dois gols em cima do Santos, mas não conseguiu evitar a derrota por 3 a 2. Se os demais jogadores mostrarem a mesma garra do atacante, a queda à Série B pode sim ficar para trás.

Técnico: Cuca (Palmeiras)
O Palmeiras teve uma sequência da morte e passou com toda categoria. Fechou com uma vitória convincente no clássico contra o Corinthians. Deu um nó tático em Cristovão Borges, demitido após a partida, e seguiu com o time na liderança do Campeonato Brasileiro. Mesmo sem Gabriel Jesus, montou uma equipe compacta, que soube aproveitar as oportunidades e não perdeu um de seus pontos fortes, a defesa - Vitor Hugo também esteve fora por cartão amarelo.

Cuca está no comando da Seleção FI do Brasileirão
Cuca está no comando da Seleção FI do Brasileirão