Após derrota, Dorival cita Seedorf para reafirmar interesse em Schweinsteiger

Clube da Vila Belmiro já começou a projetar 2017, embora ainda tenha a chance de conquistar o vice-campeonato nacional

por Agência Estado

Santos, SP, 27 - O Santos viu o sonho de lutar pelo título brasileiro acabar de vez com a derrota por 2 a 0 para o Flamengo, neste domingo, no Maracanã. Até mesmo se vencesse, porém, não estaria mais na briga pela taça, pois o Palmeiras assegurou a mesma com a vitória por 1 a 0 sobre a Chapecoense, na Arena Palmeiras. Desta forma, o clube da Vila Belmiro já começou a projetar 2017, embora ainda tenha a chance de conquistar o vice-campeonato nacional na última rodada do Brasileirão, no próximo domingo.

E projetar o futuro também significa buscar reforços, sendo que o técnico Dorival Júnior reafirmou, após o revés diante dos rubro-negros, o interesse do Santos em poder contar com o alemão Bastian Schweinsteiger, um jogador considerado muito caro, mas que está encostado no Manchester United - sem espaço com o técnico José Mourinho, não disputa uma partida oficial desde março.

Schweinsteiger treina em separado no elenco do Manchester United
Schweinsteiger treina em separado no elenco do Manchester United
Embora em um primeiro momento a ideia de contratar o astro seja utópica, o treinador santista citou o exemplo de Seedorf, hoje já aposentado dos gramados, para defender a tentativa de lutar pela chegada do alemão. O ex-meia holandês fez sucesso pelo Botafogo, com o qual foi campeão carioca em 2013, e na época a sua chegada também surpreendeu, em 2012, após uma verdadeira era de glórias com a camisa do Milan, sendo que anteriormente ele vestiu as camisas de Ajax, Sampdoria, Real Madrid e Inter de Milão.

"Disse que o Santos poderia, sim, dar uma tacada em um jogador de grande nível mundial, que seria importante que isso acontecesse. Não foi um nome levado oficialmente à diretoria, foi apenas uma sugestão dada à diretoria que buscasse um ou outro jogador", confirmou o treinador, em entrevista coletiva, na qual defendeu que o clube pudesse fazer "no mínimo um convite" a Schweinsteiger.

"Como aconteceu com o Seedorf, no Botafogo, (a chegada do jogador alemão) fatalmente modificaria o contexto em que todos nós estamos", ressaltou o técnico, para lembrar depois que o meia que acaba de se aposentar da seleção alemã foi apenas um dos nomes de peso cogitados para chegar ao Santos e consequentemente dar uma injeção de ânimo extra ao time e aos torcedores. "Dentre os nomes citados, um deles foi o Schweinsteiger, mas não objetivamente só o nome dele", revelou.