Paulista A2: Portuguesa faz acordo, cancela leilão do Canindé e têm receitas liberadas

A Lusa sofreu com as últimas gestões e agora tenta se reerguer sob o comando de Alexandre Barros

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 11 (AFI) – Alexandre Barros assumiu a presidência prometendo uma Portuguesa forte e de volta ao caminho das vitórias. E a princípio as primeiras atitudes do dirigente animam. Nesta quarta-feira, o clube fez acordo para pagar dívidas e com isso as receitas de 2017 não serão mais penhoradas como nos últimos anos.

Vice-presidente de marketing, Antônio Carlos Castanheira, se reuniu com a advogada Gislaine Nunes, que representa credores que o clube não pagou e responsável pelo leilão da área que envolve o estádio do Canindé. A Portuguesa pagará mensalmente um valor “x”, sem acréscimo de nenhum outro montante, ainda que atualizado.

“A gente já fez um pré-acordo com eles, já está acertado isso, que é um parcelamento das dívidas no mesmo modelo que vinha sendo feito antes. Mas com uma condição especial: não vai ter atualização de 1% de dívida mensal. Isso estava detonando o nosso patrimônio. E sem aquela multa”, disse Castanheira à Rádio Trianon.

Mais do que as contas bloqueadas, o time paulista também fica sem o risco de perder o seu maior patrimônio, que é o estádio. Lembrando que o mesmo foi a leilão no final do ano passado, mas não teve comprador. Um alívio para a torcida, que na época estava solitária e via o clube sem alguém forte no comando administrativo.

Em meio às negociações com dívidas, o clube também segue trabalhando para reforçar o time para o Campeonato Paulista da Série A2. O técnico Tuca Guimarães, junto do departamento de futebol espera recolocar o time na elite.

A estreia do time no Estadual está marcada para o final de janeiro, contra o Barretos, na capital paulista. A Federação Paulista de Futebol (FPF) não desmembrou a rodada inicial.