Leilão, eleições e planejamento: Portuguesa se atrasa, mas pensa em soluções

Ribeiro já apresentou um plano de trabalho, mas sua permanência depende da reeleição de Zé Luis, que depende do destino do Canindé

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 23 (AFI) - Após o rebaixamento para a Série D do Brasileiro, a Portuguesa tenta se organizar para a temporada 2017, mas alguns fatores atrapalham o planejamento. O motivo principal é a eleição para presidente, que ainda não tem data marcada, mas será no fim deste ano. O desenrolar do leilão do Canindé, marcado para 7 de novembro, será um fator determinante para a reeleição do presidente José Luiz Fereira, que tenta achar uma maneira de não perder o estádio.

Se o atual mandatário seguir no comando, existe uma forte tendência de que Márcio Ribeiro continue como técnico para a disputa da Série A2 do Paulista. Inclusive, o treinador já apresentou um plano de trabalho que abrange tanto a disputa do estadual quanto da Série D.

“Eu deixei o planejamento preparado. Já fiz um levantamento de quantos atletas precisamos contratar, conversei com alguns que devem permanecer. Mas quanto a minha permanência ainda não há nada definido. Se tiver interesse vou ficar. Acredito que se a atual gestão permanecer é mais provável que eu fique”, disse o treinador em entrevista ao Porta Futebol Interior.

Márcio Ribeiro quer continuar na Portuguesa. (Foto: Divulgação / Portuguesa)
Márcio Ribeiro quer continuar na Portuguesa. (Foto: Divulgação / Portuguesa)

Os jogadores do atual elenco já começaram a deixar o clube. A tendência é que todos, exceto os atletas formados na base, sejam dispensados. Augusto, Michel, João Henrique, Júnior Timbó, Valdeci, Mateus e Alê já entraram em acordo com o clube e assinaram a rescisão. Caíque, Vinícius, Bruno Xavier, Cesinha e Ronaldo são os nomes que Ribeiro pede que sejam mantidos.

"É tudo uma questão de planejamento. Quanto antes nos começarmos a nos prepara melhor. Temos que estar bem, essa questão política tem que ser resolvida e isso não pode influenciar no gramado. Não podemos correr o risco de ter mais um ano ruim. Se eu ficar, vamos ter um trabalho série e dedicado", disse Márcio Ribeiro.

LEILÃO
O planejamento preparado pelo treinador prevê que a pré-temporada tenha início no dia 5 de novembro, dois dias antes do leilão do Canindé, prioridade da diretoria no momento. O clube estuda duas maneiras de manter o estádio. Uma delas é por meio do tombamento como patrimônio histórico. A outra é a possibilidade de firmar uma parceria com a construtora Kauffmann, que compraria a área e administraria em conjunto com a Portuguesa.

O Canindé foi penhorado por conta de dívidas trabalhistas com atletas e pelo não pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) à Prefeitura de São Paulo. O leilão marcado para o dia 7 de novembro terá como lance mínimio o valor de RR$ 154 milhões.

A crise da Portuguesa levou o time à Série D. (Foto: Rogério Moroti / Ag Botafogo)
A crise da Portuguesa levou o time à Série D. (Foto: Rogério Moroti / Ag Botafogo)

SALVADOR?

O empresário Mário Teixeira é um nome que aparece como uma provável solução para a crise rubro-verde. Dono do vice-campeão paulista Audax, time sensação do primeiro semestre desta temporada, Seu Mário, como é conhecido nos bastidores, entrou em contato com cartolas da Portuguesa para discutir a possibilidade de comprar o clube, que hoje está afundado em dívidas. Segundo pessoas próximas, administrar a Lusa é um sonho antigo do empresário.

Teixeira também é o responsável por outros três times: Audax Rio, Grêmio Osasco e Osasco FC. Além disso, também mantém uma parceria com o Oeste, time que disputa a Série B do Brasileiro sob o comando de Fernando Diniz. O técnico tem uma relação forte com Mário e está no Audax desde 2013. No segundo semestre de 2016, foi descolado para time de Itápolis ao lado de alguns atletas remanescentes do vice-campeonato paulista.