Paulistão: Ponte Preta conversa e pode ser patrocinada por Caixa Econômica Federal

Contrato com a Brasil Kirin como patrocinadora máster vai até o fim de 2018

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 12 (AFI) - Um sonho antigo da Ponte Preta pode se tornar realidade ainda em 2017. Em entrevista coletiva concedida na reapresentação do elenco, o presidente Vanderlei Pereira confirmou conversas para que a Caixa Econômica Federal seja mais uma patrocinadora do clube e tratou o acerto como "possível".

A Macaca já trocou documentos com representantes da Caixa e está no aguardo de mais um contato para conversar com a Brasil Kirin, atual patrocinadora máster e que tem contrato até dezembro de 2018. Em 2015, as partes renovaram o vínculo e a Ponte disse tratar do "maior contrato da história".

Se fechar com a Caixa Econômica Federal, Ponte Preta vai precisar se acertar com a Brasil Kirin - Guilherme Dorigatti/Ponte Press
Se fechar com a Caixa Econômica Federal, Ponte Preta vai precisar se acertar com a Brasil Kirin
"É possível. Conversamos na semana passada, trocamos alguns documentos e vamos esperar um contato. Caso aconteça, falaremos com a Brasil Kirin para fazer algum remanejamento", disse o mandatário alvinegro.

O remanejamento que Vanderlei Pereira se referiu é em relação aos locais que os patrocínios serão estampados no uniforme pontepretano. A Caixa Econômica Federal normalmente coloca sua marca na parte da frente, justamente onde está a Brasil Kirin. Por isso, se o contrato com a Caixa for fechado, as partes precisarão conversar e entrar em um acordo.

Na última temporada, a Ponte Preta precisou antecipar parte da cota de televisão - valor não revelado - para manter todas as contas em dia. Até por isso que um acerto com a Caixa Econômica Federal é visto com bons olhos. O teto salarial do elenco será de R$ 100 mil e o orçamento ficará na média de 1.800.000,00.