Técnico responsável pelo acesso da Ponte em 97 vai coordenar a base do clube

Antônio Augusto Pereira, o popular ‘Pardal’ será apresentado na tarde desta segunda, no Estádio Moisés Lucarelli

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 21 (AFI) – Embalada pela vitória sobre o Fluminense no último domingo, a Ponte Preta vai aproveitar o clima para apresentar na tarde desta segunda, o novo coordenador geral das categorias de base do clube. Tratasse de Antônio Augusto Pereira, o popular ‘Pardal’, um velho conhecido da torcida. Na função de treinador, o profissional de futebol teve importante passagem pela Macaca, tendo sido o maior responsável pelo acesso à elite nacional em 1997, ano em que o time terminou a Série B do Campeonato Brasileiro na segunda colocação, perdendo o título nos critérios de desempate para o América-MG.

A experiência de Pardal no futebol é imensa, pois, além de ter atuado como técnico ele também já exerceu a função de preparador físico. A carreira como treinador teve início meteórico. Em 1996, Antônio Augusto Pereira integrava a comissão técnica de Jair Picerni, então treinador do Araçatuba. Na ocasião, ele comandou o time nas últimas três partidas do clube no Paulistão. Em seguida, despertou o interesse do Bragantino, clube o qual assumiu e onde teve rápida passagem.

Pardal terá a incumbência de comandar as categorias de base da Ponte Preta
Pardal terá a incumbência de comandar as categorias de base da Ponte Preta

TRABALHO MEMORÁVEL
Contratado para a disputa do nacional em 1997, Pardal pegou um elenco ‘destruído’ após fracasso na tentativa de retornar a elite estadual. Com um trabalho de muita qualidade, o treinador elevou o nível de futebol do time, conduzindo a equipe ao quadrangular final da Série B. Após uma derrota para o Náutico, por 3 a 0, em Recife, na estreia da fase decisiva, a diretoria da Ponte Preta optou por demitir o treinador, contratando Pepe, ‘O Canhão da Vila’, para os jogos finais.

A equipe se recuperou e atingiu o objetivo, isto, devido à base e ao trabalho deixado por Pardal no clube, tendo em vista que Pepe teve pouco tempo e, praticamente não mudou o jeito de jogar da Ponte Preta. O retorno ao clube de campinas é uma tentativa da diretoria de qualificar ainda mais o trabalho feito na base, agregando experiência e identificação. Tendo em vista a história de Pardal na Ponte e seu currículo é improvável que esse ‘casamento’ não renda bons frutos.