Leandrinho da Ponte Preta aproveita brecha na Lei Pelé e assina com o Napoli

Macaca deve ser reembolsada com 500 mil euros - perto de R$ 2 milhões. Uma pequena fatia ao clube investidor

por Agência Futebol Interior

Leandrinho: brecha na Lei Pelé
Leandrinho: brecha na Lei Pelé

Campinas, SP, 23 (AFI) – Quase dois anos em litígio com a Ponte Preta o meia-atacante Leandrinho pode chegar num acordo para sua liberação. Após completar 18 anos e ser aprovado pelo Napoli, da Itália, o seu empresário, João Santos, deve aceitar pagar os 500 mil euros – perto de R$ 2 milhões – pedidos pelo clube campineiro para a sua liberação. Mas longe do valor estipulado de R$ 14 milhões.

Leandrinho assinou por cinco anos, foi o último lugar do Napoli como jogador 'não comunitário' e o valor envolvido é perto de 4 a 5 milhões de euros, perto de R$ 18 milhões.

BOMBA NA IMPRENSA
A notícia ganhou destaque nos jornais italianos nesta quarta-feira, inclusive citando que Napoli ganhou c concorrência do Real Madrid e do Manchester City, que também teriam interesse nele. Ele também é apresentado como meia da Seleção brasileira Sub-18, sempre acompanhando de vídeos com seus melhores momentos.

O anúncio na Itália deve envolver dinheiro e a Ponte Preta garante que terá, pelo menos, o ressarcimento do que investiu com o jogador, que se destacou nos times de base da Macaca.Ela conseguiu uma liminar na Justiça Desportiva que exige sua assinatura na liberação para qualquer clube filiado à Fifa.

Não deixa de ser mais um ‘fujão’ e que aproveita o enorme buraco na Lei Pelé, que tirou dos clubes formadores o comando de seus atletas e o pôs, de graça, nas mãos de empresários. Uma verdadeira inversão de valores.

O que deve ter acontecido: destaque na Ponte, quando chegou à Seleção, Leandrinho teve um empresário que o tirou do clube e ficou oferecendo por grandes clubes da Europa. No final das contas, empresário e jogador vão encher os bolsos e o clube só uma pequena parcela.