William Pottker, artilheiro da Ponte Preta, é reserva e joga sub judice no Brasileiro

Ele vive uma situação inusitada, porque está jogando sob efeito de liminar, ou seja, é um “jogador sub judice”

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 18 (AFI) – Uma situação estranha, paradoxal. Ao mesmo tempo em que a Ponte Preta espera ir mais longe no Campeonato Brasileiro, além da condição de se manter na elite em 2017, um jogador tem ambições especiais nesta temporada. É o atacante William Pottker, artilheiro do time com 11 gols e que sonha ser o goleador da competição – tem um a menos do que Fred, do Atlético-MG. Mas ele vive uma situação inusitada, porque está jogando sob efeito de liminar, ou seja, é um “jogador sub judice”.

Na última quinta-feira à tarde, Pottker foi suspenso por quatro jogos pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por agressão a Luan, do Atlético-PR. A punição não foi bem digerida pelo atacante, que viveu momentos de total insatisfação nos últimos dias.

“Na súmula estava tentativa de agressão e no tribunal fui julgado como agressor. Foi um lance quase involuntário, quando tentava tirar minha mão dele”, lembra Pottker.

Artilheiro está inconformado com a suspensão de quatro jogos imposta pelo STJD
Artilheiro está inconformado com a suspensão de quatro jogos imposta pelo STJD

A angústia acabou dividida com seus familiares nos últimos dias, quando ganhou forças para seguir em frente. Na quinta-feira à noite atuou pouco tempo na partida vencida pela Ponte Preta em cima do Vitória, por 2 a 0.

LIMINAR E RAIVA
No dia seguinte o departamento jurídico do clube conseguiu uma liminar para que ele pudesse participar do jogo contra o Santa Cruz, vencido pelo time campineiro por 3 a 0, domingo passado.

Pottker tem 11 gols, um a menos do que Fred, do Atlético-MG
Pottker tem 11 gols, um a menos do que Fred, do Atlético-MG

Pottker marcou seu gol e comemorou com muita raiva. “Foi uma maneira de extravasar a tensão vivida durante a semana. Fiquei inconformado com esta punição”, confessa. Ele já participou de 24 gols no Brasileiro pela Ponte, com 11 gols.

Mas muitas vezes entrou só durante o jogo, como aconteceu na última rodada. Foram apenas seis jogos completos. O curioso é que, neste momento, ele é reserva de Roger, outro artilheiro do time, com sete gols.

Segundo o diretor jurídico da Ponte Preta, Giuliano Guerreiro, o atacante tem condições de jogo até ser analisado pelo STJD o recurso do clube. “Isso pode demorar mais uns 20 dias”, avalia o advogado que acredita reverter a primeira decisão.

Pottker, portanto, está apto a enfrentar o São Paulo, sábado, no Morumbi, pela 32.ª rodada. Aos 22 anos ele acha que atravessa a melhor fase da sua carreira, iniciada nas categorias de base do Figueirense.

EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL
Ainda jovem passou pela Armênia (Guandzasar FC), pelo Japão (Ventfort Kofu) e pelo Braga, de Portugal. Fez gols em duas temporadas no Linense e teve seus direitos federativos adquiridos pela Ponte Preta antes do Brasileiro. Seu contrato vai até dezembro de 2019.

O elenco voltou aos treinos nesta terça-feira cedo no gramado do Majestoso. O técnico Eduardo Baptista acha precipitado falar do provável time, mas deve manter a mesma base do último jogo. Fábio Ferreira, que cumpriu suspensão automática, deve retornar na defesa no lugar de Douglas Grolli. Com 45 pontos, a Ponte Preta ocupa a décima posição.