Eduardo Baptista reconhece erros individuais da Ponte Preta e foca jogos no Majestoso

Espera reação nos dois jogos em casa, nesta semana, contra o Vitória (quinta-feira) e diante do Santa Cruz (domingo)

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 10 (AFI) - Prometendo mudanças pontuais e a manutenção do esquema tático, o técnico Eduardo Baptista espera uma reação da Ponte Preta nos dois jogos em casa, nesta semana, contra o Vitória (quinta-feira à noite) e diante do Santa Cruz (domingo à tarde). Ele lamentou pelo time não conseguir render o esperado contra o Cruzeiro-MG, na derrota por 2 a 0, no Mineirão, pela 29.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Ele ressalta que o foco agora é trabalhar ainda mais para voltar a vencer. O time não ganha há quatro rodadas, número igual do São Paulo e inferior ao Corinthians, que há seis rodadas não saber o que é ganhar no Brasileirão.

Erros individuais resultaram em novo derrota da Ponte Preta no brasileiro, dentro do Mineirão
Erros individuais resultaram em novo derrota da Ponte Preta no brasileiro, dentro do Mineirão

“Tivemos um jogo individualmente muito ruim. Tecnicamente erramos demais, sem transição, nos tornamos lentos e isso nos atrapalhou. Contra o Cruzeiro a única coisa que não pode acontecer é se tornar lento e isso aconteceu”, diz.

O treinador conta que tentou promover alterações no time para reverter o quadro, mas sem sucesso.

“Tentamos mexer no intervalo, mas as substituições não corresponderam e o Cruzeiro foi melhor. O adversário fez uma grande partida, dominou todo o segundo tempo e teve mérito. Agora é trabalhar. Temos dois jogos em casa pra voltar a vencer, pontuar e subir na tabela”, afirma.

OS ERROS NO MINEIRÃO
O treinador fala um pouco mais sobre o que deu errado ontem na opinião dele.

“Adiantamos um pouco a marcação e isso dificultou um pouco. Mérito do Cruzeiro, pela qualidade dos seus jogadores, que trabalham muito por dentro e quando um time adianta e se

Elton substituiu a João Vitor, mas não é um homem de marcação
Elton substituiu a João Vitor, mas não é um homem de marcação

arrisca mais. Foi isso que aconteceu e, quando nós roubávamos a bola, fazíamos uma transição muito lenta. Faltou um passe mais qualificado e essa transição mais rápida. Procuramos muito a bola no pé e pouco na frente, que é a nossa grande virtude. Aí nos tornamos previsíveis. É trabalhar, corrigir, para tentarmos buscar a vitória no próximo jogo”, enfatiza.

Eduardo também reforça que o foco atual da Ponte é alcançar 46 pontos na classificação do Brasileiro.

“Temos metas responsáveis para cumprir. Não é questão de sonhar, de querer mais ou menos. Temos um time brigador, um elenco muito pequeno e desde o início, nos melhores momentos, nunca prometemos nada a não ser, sim, um campeonato coeso. A Ponte Preta mesmo em um momento de oscilação está em 10º lugar, com dois jogos em casa agora. É fazer os 46 pontos o quanto antes e depois se preocupar com o que tem a frente. Antes disso não dá para fazer projeção de outra situação. A Ponte Preta continua com uma campanha de pés no chão, para encerrar bem o ano e garantir que seja um bom ano para o clube”, completa.