Paulista A3: Água Santa garante regularidade em Estádio de Diadema

Faltou bom senso da Polícia Militar e do Ministério Público, mas não houve má fé do Água Santa

por Agência Futebol Interior

Excesso de rigor da Polícia Militar e também falta de bom senso do Ministério Público. É o que, com certeza, aconteceu nesta rodada inaugural do Campeonato Paulista da Série A3, neste final de semana.

Diadema, SP, 2 (AFI) – Excesso de rigor da Polícia Militar e também falta de bom senso do Ministério Público. É o que, com certeza, aconteceu nesta rodada inaugural do Campeonato Paulista da Série A3, neste final de semana. O jogo de abertura da competição entre o novato Água Santa e o tradicional Noroeste de Bauru foi cancelado devido uma liminar do Ministério Público alegando problemas de segurança no Estádio do Inamar, na cidade de Diadema.

Estádio do Inamar em perfeitas condições de jogo

“Nós cumprimos tudo que foi pedido pela Polícia Militar, inclusive temos um laudo do dia 29 de janeiro, que nos dá plana razão. Não entendemos o adiamento deste jogo, mesmo porque isso aconteceu somente às 20 horas de sexta-feira”, lamentou o presidente Paulo Farias, do Água Santa. O jogo seria disputado a partir das 10 horas de sábado.

Segundo o Coronel Marcos Marinho, da comissão de arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF) “não havia outra alternativa a não ser obedecer a decisão judicial”.

CONFIANÇA NA REMARCAÇÃO
A direção do Água Santa, vice-campeão paulista da Segunda Divisão de 2013 – só perdeu o título no segundo jogo para a poderosa Matonense – não tem dúvidas de que o jogo será remarcado. Para tanto acionou seu departamento jurídico que já está munido de toda documentação que comprova que não houve ma fé do clube.

“Foi uma pena porque nossa torcida estava empolgada. Além disso este jogo teria trnasmissão da televisão (Rede Vida) e a imagem do clube seria vista em todo o Brasil”, falou Paulo Farias.

Ele garantiu que na segunda-feira os seus advogados vão estar na sede da FPF, no bairro da Barra Funda, na capital, munidos de farta documentação que comprova ter o clube cumprido todas as determinações da Polícia Militar. (Veja copias dos documentos na Galeria de Imagens).

Paulo Farias: boa fé

“Não haveria nenhum risco de segurança”, assegura Farias. Ele lamentou também o incômodo causado pela cancelamento do jogo, uma vez que o time já vinha se preparando há 40 dias e havia uma grande expectativa.

PEDIDO DE DESCULPAS

Além disso, o próprio time de Bauru já estava na concentrado na cidade de Diadema.

“Por isso, fiz questão de enviar um ofício ao Noroeste, pedindo desculpas pelo ocorrido. Eu sei o quanto é custoso para qualquer clube deslocar uma delegação dentro do Estado de São Paulo”, completou. (VEJA OFÍCIO na GALERIA DE IMAGENS)

Segundo o Coronel Marcos Marinho o caso deve ser, inicialmente, apresentado à Comissão de Competições e , se comprovada a boa fé, o jogo deve ser remarcado numa data oportuna. Caso contrário, o caso pode até ser analisado pelo Tribunal de Justiça Desportiva.