Jailson é o herói improvável da campanha do enea brasileiro do Palmeiras

Após a lesão e Fernando Prass, o Jailson chegou a ser desacreditado, mas deu conta do recado e foi parte importante da conquista

por Agência Estado

São Paulo, SP, 27 - O mês de julho mudou a vida de Jailson. E para sempre. Depois que o titular Fernando Prass precisou ser submetido a uma cirurgia no cotovelo direito após lesão às vésperas da Olimpíada, o técnico Cuca deu chance para os goleiros reservas, o que fez muitos torcedores levarem as mãos à cabeça. "Estamos perdidos", era o sentimento. Afinal, como sonhar alto sem seu goleiro titular? Quem pensou assim sabe que cometeu um equívoco. O que seria um problema, se tornou um dos destaques do título nacional.

O clube até pensou em contratar outro jogador para a posição. Acertou verbalmente com Felipe Alves, do Oeste, mas o clube interiorano não o liberou. O tempo mostrou que a decisão foi benéfica ao Palmeiras. Vagner foi o escolhido no período de maior instabilidade do time, com duas derrotas (Atlético Mineiro e Botafogo) e um empate (Chapecoense). Depois de algumas falhas, voltou ao banco de reservas.
Jailson é o herói improvável da campanha do enea brasileiro do Palmeiras
Jailson é o herói improvável da campanha do enea brasileiro do Palmeiras

GANHADO A TITULARIDADE
Na última rodada do primeiro turno do Brasileirão, contra o Vitória, Jailson assumiu a vaga. O goleiro de 35 anos, contratado em 2014 do Ceará, onde era reserva, até então só havia feito um jogo oficial e dois amistosos, mas fez grandes defesas e foi decisivo para a equipe terminar a primeira etapa na frente. Rapidamente ele ganhou espaço com o técnico e caiu nas graças da torcida. Jailson tornou-se herói improvável do título.

No meio da trajetória, o goleiro cumpriu suspensão automática contra o Santos por ter recebido três amarelos. Vinicius Silvestre, de 22 anos, jogou e virou opção para o futuro, mas Jailson continuou titular e a cada apresentação ganhava mais adepto. Neste mês, o jogo contra o Atlético Mineiro foi um marco. Jailson completou 16 partidas no Campeonato Brasileiro, superando o número do próprio Fernando Prass. No jogo em São Paulo, em que o Palmeiras recebeu o time mineiro no primeiro turno, no Allianz Parque, o goleiro, de 35 anos, era a terceira opção de Cuca. De um jogo para o outro, sua vida mudou. Ele ganhou um time e o Palmeiras, um goleiro.

Com Jailson, o Palmeiras ainda não perdeu na Série A. Ele passou sete jogos sem ser vazado. Sua única derrota com a camisa alviverde foi contra o Grêmio, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

A conquista do título foi motivo de orgulho duplo para ele. Além de ganhar pela primeira vez na carreira um título de expressão, ainda pôde ajudar seu time de coração. Jailson sempre foi palmeirense. Ele renovou seu contrato na última quinta-feira.

Após o título, Jaílson mandou um recado para o ex-goleiro e ídolo Marcão. "Obrigado por tudo Marcão. Te amo, cara. Ele me deu conselho, me ajudou com tudo.", disse Jailson