Cuca vê Palmeiras com regularidade para ser campeão, mas evita euforia

A vitória sobre o Botafogo, por 1 a 0, neste domingo, deixou o Verdão com uma mão na taça

por Agência Estado

São Paulo, SP, 20 - O Palmeiras precisa de apenas uma vitória para ser campeão brasileiro e o grande desafio do técnico Cuca ao longo da semana vai ser controlar a ansiedade dos jogadores. Apesar do discurso moderado, o treinador acredita que a equipe já mostrou todos os motivos para ser campeão.

"Dos últimos 19 jogos, perdemos apenas um, para o Santos. Olha a regularidade que temos. É uma regularidade de um time pronto para ser campeão. Quem é a melhor defesa? O melhor ataque? O que leva mais público? Uma série de coisas mostra que estamos no caminho certo. Mas não dá para falar de ser campeão com o pé nas costas, tendo um campeonato com tanto time grande e forte na cola. Não lembro um campeonato no qual o segundo e terceiro colocados tenham somado tantos. A gente ganha e o pessoal, chato, vai e ganha também e não quer deixar a gente ser campeão", brincou o treinador.

Cuca enalteceu campanha do Palmeiras, mas evitou comemorar o título brasileiro
Cuca enalteceu campanha do Palmeiras, mas evitou comemorar o título brasileiro
Cuca passou boa parte da entrevista coletiva dada após a vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo deixando claro que ainda não há motivos para celebração e que vai trabalhar ao longo da semana como se fosse a preparação para qualquer jogo.

"Vamos guardar toda a nossa energia para o jogo. Terça, vamos trabalhar, nos preparar, concentrar e, se for preciso, viajar novamente (para Atibaia). Temos que fazer isso, focar em um único rumo e não perder a concentração, porque está difícil demais para sermos campeões. Como disse, a gente ganha e os caras continuam no nosso pé."

A preocupação de Cuca, mais do que o jogo com a Chapecoense, domingo, que vem, no Allianz Parque, é não deixar que a conquista do título fique apenas para a última rodada, no dia 4 de dezembro, quando o time alviverde vai até a Bahia encarar o Vitória. "A margem de erro em campo tem que ser muito pequena. Um gol que o Botafogo marcasse e mudaria tudo, já que o Santos estava ganhando. O último jogo, o Vitória vai fazer o jogo da vida dele, então temos que tentar resolver logo e passar a confiança e tranquilidade necessária para o jogador", analisou.