Rio-2016: Terezinha Guilhermina fatura bronze nos 400m na Paralimpíada

Nesta sexta-feira, ela faturou a medalha de bronze nos 400 metros na classe T11, com o tempo de 57s97

por Agência Estado

Rio de Janeiro, RJ, 17 - A brasileira Terezinha Guilhermina enfim conquistou sua primeira medalha individual nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro. Nesta sexta-feira, ela faturou a medalha de bronze nos 400 metros na classe T11, com o tempo de 57s97, na final que contou com apenas quatro atletas.

A chinesa Cuiqing Liu conquistou o ouro, com o tempo de 56s71. A medalha de prata foi para a venezuelana Sol Rojas, com 57s64. O Brasil contou com outra representante local na disputa, mas Thalita Simplício foi desclassificada após terminar a prova na quarta e última posição.

Antes de subir ao pódio pela primeira vez em prova individual no Rio-2016, Terezinha protagonizou polêmica com a britânica Libby Clegg nos 100 metros. A rival foi desclassificada na semifinal porque teria sido supostamente puxada por seu guia, o que é proibido. Porém, a punição não durou muito e Clegg pôde disputar a final e levou o ouro.

NÃO GOSTOU
Terezinha reclamou publicamente da decisão. E acabou também sendo desclassificada pelo mesmo motivo, na final da prova. Em outra disputa individual, nos 200 metros, a brasileira se destacou com o melhor tempo das eliminatórias. Porém, queimou a largada na decisão.

A brasileira se reabilitou na sequência ao faturar a medalha de prata no revezamento 4x100 metros nas classes T11-13. Thalita Simplício, Lorena Spoladore e Alice Corrêa também fizeram parte da equipe.

Foto: Rio 2016/Gabriel Nascimento
Ainda nesta sexta, a seleção brasileira masculina de vôlei sentado foi derrotada pelo Irã por 3 sets a 0, com parciais de 25/20, 25/19 e 25/17. Com a derrota, o Brasil perde a chance de brigar pelo ouro e agora terá que disputar o bronze, contra o Egito.

No tênis de mesa, o Brasil perdeu o bronze para a Tailândia na disputa por equipes masculino na classe 3. Welder Knaf e David Andrade de Freitas foram derrotados por Yuttajak Glinbancheun e Anurak Laowong por 2 a 0 e deixaram escapar a vaga no pódio.

QUADRO DE MEDALHAS
A delegação brasileira conquistou mais duas medalhas de ouro nesta sexta-feira mas mesmo assim sofreu nova queda no quadro de medalhas. Caiu do sétimo para o oitavo lugar, agora com 60 medalhas, sendo 12 de ouro, 25 de prata e 23 de bronze. O Brasil foi superado pela Holanda desta vez, após perder espaço para Austrália e Alemanha na quinta.

A China segue esbanjando folga na liderança do quadro, com 217 medalhas, sendo 94 douradas. A Grã-Bretanha continua em segundo, com 126 medalhas (58 de ouro). Ucrânia e Estados Unidos seguem logo atrás, com 106 (38 de ouro) e 103 (36), respectivamente.