Libertadores: Dirigentes ainda sonham com final do torneio em Miami

"Se Miami quiser comprar a final, vendemos", disse um dos dirigentes sul-americanos, sob a condição de anonimato

por Agência Estado

Campinas, SP, 12 - Dirigentes sul-americanos não abandonaram a ideia de uma final única da Copa Libertadores e buscam até mesmo a organização da partida em Miami, nos Estados Unidos. Há poucas semanas, a Conmebol havia anunciado o interesse de seguir o exemplo da Liga dos Campeões da Europa e decidir o campeão da Libertadores em jogo único em campo neutro previamente escolhido. Mas os planos repercutiram mal em todos os lados da América do Sul, diante das dificuldades de locomoção para os torcedores.

Oficialmente, a Conmebol acabou cedendo e a Libertadores do ano que vem terá, como de costume, sua final disputada em jogos de ida e volta. Mas, nos bastidores, os dirigentes continuam a buscar por uma "solução econômica" para uma final, mesmo para 2017. Se uma sede neutra for encontrada que renda mais que dois jogos finais, a entidade estaria disposta a abandonar uma vez mais os planos de dois enfrentamentos para ter uma partida só na grande decisão.

Isso poderia ocorrer na Cidade do México ou no Maracanã. Mas também em Miami, considerado por cartolas como forma de garantir uma expansão dos direitos comerciais do evento, atrair o público e chamar a atenção da imprensa internacional. "Se Miami quiser comprar a final, vendemos", disse um dos dirigentes sul-americanos, sob a condição de anonimato.

'Se Miami quiser comprar a final, vendemos', disse um dos dirigentes sul-americanos
'Se Miami quiser comprar a final, vendemos', disse um dos dirigentes sul-americanos
A expansão da Libertadores - de 38 para 44 times - deu ao Brasil duas vagas extras aos clubes nacionais. A reportagem do jornal O Estado de S.Paulo apurou que a CBF chegou a pedir três vagas. Mas acabou aceitando duas.

INFANTINO - Na elaboração do novo formato da Libertadores, quem teve um papel fundamental foi o presidente da Fifa, Gianni Infantino, e o homem considerado na Europa como responsável por transformar a Liga dos Campeões no torneio de clubes mais rico do mundo e cada vez mais perto dos valores movimentados numa Copa do Mundo.

A reportagem apurou que, nos últimos meses, Infantino chegou a passar horas com os dirigentes sul-americanos para montar o novo plano da Libertadores e até chegou a sugerir a empresa de consultoria que foi contratada pela Conmebol para traçar os planos comerciais.

Parte dos objetivos de Infantino é de que a América do Sul se transforme em sua aliada. Mas também que os clubes sul-americanos não percam espaço para os europeus, o que tem sido uma realidade cada vez maior.

Em sua mesa, está ainda o projeto de criar um Mundial de Clubes com 16 times e que se transformaria num torneio de referência, provavelmente até substituindo a Copa das Confederações.

As diferenças ainda entre a Libertadores e a Liga dos Campeões devem persistir. Uma equipe que participar das eliminatórias para o torneio sul-americano levará US$ 1,2 milhão. Na Europa, a fase Eliminatória chega a 2 milhões de euros por cada jogo a cada time.