Série C: Guarani quer 'adiar' jogo das quartas para conseguir liberação do tobogã

O clube quer jogar contra o ASA no final de semana do dia 1, mas pode ter o jogo marcado para este final de semana, do dia 24

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 19 (AFI) - Após se classificar às quartas de final da Série C na liderança do Grupo B, com 38 pontos, o Guarani negocia com a CBF para poder jogar a primeira partida contra o ASA, na fase decisiva, apenas no final de semana do dia 1. A solicitação é motivada pela possibilidade de liberar o tobogã do Brinco de Ouro, que passa por reformas após três anos interditado.

Os jogos de ida das quartas serão distribuídos entre o próximo final de semana, do dia 24, e o final da semana do dia 1. Caso o confronto entre Guarani e ASA fique em uma das primeiras datas, é pouco provável que Bugre consiga terminar as obras do tobogã a tempo.

Como se classificou em primeiro de sua chave, o time campineiro vai disputar o jogo de volta em casa. Assim, no primeiro cenário, a reforma teria que ficar pronto antes do dia 1. No segundo cenário - o ideal para a diretoria bugrina - teria que acontecer antes do dia oito.

Guarani quer liberar Tobogã paras quartas de final da Série C. (Foto: Lucas Moron / Futebol Interior)
Guarani quer liberar Tobogã paras quartas de final da Série C. (Foto: Lucas Moron / Futebol Interior)

Além da conclusão da reforma, o setor do estádio também precisa passar por uma avaliação do Corpo de Bombeiros para ser liberado para uso. A última vez que o público esteve presente na área foi em 12 de outubro de 2013, em empate por 1 a 1 com o Crac, na última rodada da Série C do Brasileiro.

Entre as revisões necessárias para a liberação estão barreiras de contenção a cada quatro degraus, corrimão e readequações nas saídas de emergência. A princípio, devem ser liberados apenas 50% dos 12 mil lugares disponíveis.

Para as obras, o Guarani está recebendo um investimento que no final deve somar de R$ 150 a R$ 200 mil, em uma parceria com a ASA Alumínio. Em compensação, a empresa vai ter o direito de vincular a sua marca ao clube. Os representantes ainda discutem com a diretoria se haverá um patrocínio no uniforme do time ou em algum ponto da área reformada.