Estado de São Paulo assegura investimento nos atletas paralímpicos após Rio-2016

Maior medalhista da natação paralímpica, Daniel Dias aproveitou a oportunidade para pedir a manutenção do apoio

por Agência Estado

São Paulo, SP, 20 - O nadador Daniel Dias, o judoca Antônio Tenório, Silvania Costa e Shirlene Coelho, do atletismo, e outros atletas paulistas que se destacaram nos Jogos Paralímpicos foram homenageados nesta terça-feira, no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, com a entrega das medalhas de mérito esportivo pelas mãos do governador Geraldo Alckmin. E eles deixaram a cerimônia com uma boa notícia: o investimento no Time São Paulo continua.

Maior medalhista da natação paralímpica, Daniel Dias aproveitou a oportunidade para pedir a manutenção do apoio do governo aos atletas para o próximo ciclo. "Estamos preocupados. O Time São Paulo termina agora em outubro e esperamos que não acabe, a gente quer chegar de Tóquio e voltar aqui mais uma vez para comemorar com vocês", discursou.

Em resposta, o governador de São Paulo garantiu que o convênio será renovado. "Quero cumprimentar o Andrew Parsons por toda a dedicação e abraçar o Time São Paulo. Também quero dizer ao Daniel Dias que a parceria vai continuar. A Linamara (Rizzo Battistella) já vai preparar o novo convênio", assegurou.

Os integrantes do Time São Paulo foram responsáveis por 30 das 72 medalhas conquistadas pela delegação brasileira no Rio - foram oito de ouro, 13 de prata e nove de bronze. O presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Andrew Parsons, exaltou o desempenho dos atletas brasileiros, ressaltando o recorde de pódios na Rio-2016. Ele também enfatizou que o investimento no esporte paralímpico "não pode parar" para os Jogos Paralímpicos de Tóquio, em 2020. "A Paralimpíada de Tóquio para nós começa amanhã (quarta-feira)", afirmou.

Os integrantes do Time São Paulo foram responsáveis por 30 das 72 medalhas conquistadas pela delegação brasileira no Rio - Foto: Simon Bruty/OIS - IOC
Os integrantes do Time São Paulo foram responsáveis por 30 das 72 medalhas conquistadas pela delegação brasileira no Rio
CAMPANHA
Apesar de o Brasil não ter atingido a meta de ficar na quinta posição do quadro geral de medalhas, o dirigente usou a Grã-Bretanha como exemplo para projetar um melhor desempenho da delegação brasileira na próxima edição.

"Ficar na quinta posição foi uma das metas, essa não conseguimos, deixamos para Tóquio. Lembrando que a Grã-Bretanha ficou em segundo lugar em Atenas e em Pequim, terminou em terceiro em Londres e aqui voltou ao segundo lugar. Nós também investimos em uma base mais ampla e vamos melhorar na Paralimpíada de Tóquio-2020", projetou.

'MUITA INCLUSÃO'
Secretária do Estado dos direitos das pessoas com deficiência, Linamara Rizzo Battistella destacou o legado dos Jogos Paralímpicos. "O esporte se colocou como uma alavanca de mudanças na projeção que o Brasil alcançou, não apenas pelas vitórias, mas pelo respeito da sociedade." E celebrou: "Estamos felizes de receber os atletas, ver o Brasil comemorando. É a festa da vitória com muita inclusão."