Conselheiros entregam pedido de impeachment do presidente do Corinthians

O pedido foi motivado pelos documentos que Andrade teria assinado antes de ser eleito presidente do clube

por Agência Estado

São Paulo, SP, 22 - Conselheiros do Corinthians protocolaram nesta terça-feira um requerimento pedindo a abertura do processo de impeachment do presidente do clube, Roberto de Andrade. Foram obtidas 63 assinaturas entre 345 integrantes do Conselho Deliberativo.

O pedido foi motivado pelos documentos que Andrade teria assinado antes de ser eleito presidente do clube. Foram duas ocasiões: rubrica na lista de presença de assembleia geral de cotistas da arena e na ata e no contrato do estacionamento do estádio com a Omni, empresa que também administra o programa Fiel Torcedor. Roberto de Andrade se defende afirmando que já estava com o cargo em exercício quando assinou o contrato.

O processo, agora, é rápido. O presidente do Conselho Deliberativo, Guilherme Strenger, tem até cinco dias para encaminhar o requerimento à Comissão de Ética e Disciplina. A partir daí, o presidente terá dez dias para apresentar a defesa.

Strenger terá de convocar uma reunião extraordinária para a votação do afastamento do mandatário. Se a destituição vencer no Conselho, o afastamento é imediato. A última chance de permanência no cargo é uma assembleia geral de associados para decidir o futuro do dirigente.

Em caso de afastamento, quem deve assumir é o primeiro vice-presidente do clube, André Luiz de Oliveira, o André Negão. Como restam mais de seis meses para a próxima eleição, em fevereiro de 2018, ele terá de convocar novo pleito. Oliveira é um dos investigados na Operação Lava Jato pelo suposto recebimento de R$ 500 mil em propina durante a construção do Itaquerão.