Copa do Brasil: Jogadores isentam ex-técnico por má fase do Corinthians

Paraguaio Balbuena disse que é normal culpar o treinador quando os resultados não vem, Cristóvão ficou três meses no clube

por Agência Estado

São Paulo, SP, 22 - A sequência de três jogos sem vitória do Corinthians acabou nesta quarta-feira com o 1 a 0 sobre o Fluminense, no Itaquerão, e a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil. Apesar do alívio pelo resultado positivo, os jogadores descartaram vincular a má fase ao trabalho do treinador anterior. Cristóvão Borges foi demitido no último sábado para ser substituído pelo interino Fábio Carille.

"Quando os resultados não vêm, é normal culparem o treinador. A gente é mais culpado. Somos nós quem entramos em campo", disse o zagueiro parguaio Balbuena.

O compatriota dele, o atacante Romero, contou que uma mobilização do elenco propiciou a reação. "No vestiário a gente falou que tinha de se classificar, que era preciso sair da situação ruim. Estamos contentes porque conseguimos", afirmou.

Após a classificação os jogadores saíram em defesa de Cristóvão Borges
Após a classificação os jogadores saíram em defesa de Cristóvão Borges
APENAS TRÊS MESES...
Demitido depois da derrota para o Palmeiras, Cristóvão ficou no cargo de técnico por somente 19 jogos e três meses. Como o elenco se reapresentou na segunda-feira, pouco teve tempo para se organizar ou se preparar antes da partida com o Fluminense. O substituto comandou somente um treino tático, na terça-feira à tarde, quando definiu quais seriam os titulares.

Segundo o meia Camacho, como houve pouco tempo de preparação, o diferencial para reagir não foi a participação do técnico, mas sim o elenco. "A nossa postura que foi decisiva para que o Corinthians voltasse a vencer. Não teve dias suficientes de trabalho para se mudar muita coisa", comentou.

"Temos que apoiar o trabalho do Carille. Nossa participação será importante para voltarmos a vencer os jogos", disse o atacante Lucca.