Em novo protesto, corintianos invadem sede social do Parque São Jorge

"Cadê o planejamento? Estamos de olho! 2017 sem patifarias" e "Diretoria incompetente" foram alguns dos dizeres

por Agência Estado

São Paulo, SP, 20 - Apesar dos pedidos de paciência da diretoria, os torcedores prometem não dar trégua aos dirigentes do clube. Depois de a sede do Corinthians amanhecer pichada com os dizeres "menos luxo, mais futebol", na segunda-feira, um grupo invadiu a sede social do Parque São Jorge para protestar novamente. Desta vez, faixas foram estendidas no andar em que fica a sala do presidente corintiano, Roberto de Andrade.

As fotos do protesto foram divulgadas pelos torcedores nas redes sociais. As faixas exibem a indignação dos alvinegros contra a atual gestão do clube, que, segundo eles, é responsável pela má fase da equipe. O presidente, no entanto, não estava no local. "Cadê o planejamento? Estamos de olho! 2017 sem patifarias" e "Diretoria incompetente" foram alguns dos dizeres.

Desta vez, faixas foram estendidas no andar em que fica a sala do presidente corintiano, Roberto de Andrade - Foto: Arquivo Pessoal
Desta vez, faixas foram estendidas no andar em que fica a sala do presidente corintiano, Roberto de Andrade
CRÍTICA ATÉ SOBRE O UNIFORME
Nem o departamento de marketing do clube escapou das reclamações dos torcedores. A torcida não ficou nada satisfeita com o terceiro uniforme, na cor azul, lançado na semana passada e utilizado pela primeira vez no empate contra o Coritiba por 1 a 1, no Couto Pereira.

"Chega de camisa colorida. O Corinthians é preto e branco. Menos marketing, mais futebol".

O momento da equipe era delicado - havia saído do G4 na rodada anterior -, mas piorou ainda mais depois da derrota para o Palmeiras por 2 a 0, no último sábado, no Itaquerão. Pressionado pela torcida, o presidente Roberto de Andrade demitiu o técnico Cristóvão Borges.

Nem o departamento de marketing do clube escapou das reclamações dos torcedores - Foto: Arquivo Pessoal
Nem o departamento de marketing do clube escapou das reclamações dos torcedores
A tendência é que os protestos continuem nos próximos dias, inclusive nas partidas contra o Fluminense, pela Copa do Brasil e pelo Brasileirão, ambos no Itaquerão. Na quarta, o duelo será pelo mata-mata. E, no domingo, será válido pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro.