Atlético-MG contraria pedido de Del Nero e decide perder por WO para a Chapecoense

O dirigente queria que o jogo fosse realizado e sugeriu uma grande festa em homenagem ao time catarinense

por Agência Futebol Interior

Belo Horizonte, MG, 01 (AFI) - O Atlético-MG não vai disputar a última rodada do Campeonato Brasileiro, quando enfrentaria a Chapecoense, que ainda vive o baque da tragédia aérea que matou boa parte de seu elenco. Em coletiva na manhã desta quinta-feira, o presidente do Galo, Daniel Nepomuceno, informou oficialmente que o elenco não viajará a Chapecó.

"Atlético-MG não irá jogar, não írá a Chapecó, não é o momento", afirmou o dirigente na coletiva. "Então, já comuniquei a CBF, que concorda. Já conversei com o presidente da CBF, Marco Polo, que concordou. Nessa partida o Atlético-MG não irá. Provavelmente, a maior punição é a perda dos três pontos. Como isso, não altera a posição do time, a gente não pode ser prejudicado", explicou Nepomuceno.

A decisão frustra os plano do presidente da CBF, Marco Polo Del Nero. O dirigente queria que o jogo fosse realizado e sugeriu uma grande festa em homenagem à Chapecoense no decorrer da partida. Ele ainda propôs que o time jogasse com a equipe sub-20.

"Conversei com o presidente Del Nero sobre a partida contra o Atlético-MG. Ele disse: ‘Este jogo tem que acontecer. Tem que ser uma grande festa'. Respondi: ‘Não temos 11 jogadores'. Ele disse: "Tem sim. Vocês têm categoria de base, os jogadores que ficaram. Não importa. Tem que fazer uma grande festa. Chapecó e a Chapecoense merecem.'", afirmou o presidente em exercício da Chapecoense, Ivan Tozzo, na quarta", disse o presidente em exercício da Chapecoense, Ivan Tozzo, em entrevista na última quarta-feira

Porém, a ideia não foi bem recebida pela opinião pública e pelo próprio Atlético-MG. Dessa maneira, o clube decidiu por não jogar a partida, que deveria acontecer no dia 11 de dezembro, em respeito ao momento vivido pela Chpaecoense e por acreditar que não haverá 'clima' para realização do duelo.

Na madrugada de segunda para terça-feira (horário do Brasil), o avião que levava a Chapecoense para a primeira partida da decisão da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional, caiu perto do aeroporto em Medellín. Foram 71 mortos no total, sendo boa parte deles da delegação do clube e profissionais da imprensa.