Após derrota, presidente do Atlético-MG reclama da árbitro e pedirá punição à CBF

"Com investimento bilionário no futebol, não pode ficar passivo de erro para decidir campeonato"

por Agência Estado

Belo Horizonte, MG, 17 - A derrota do Atlético-MG para o Botafogo por 3 a 2, no último domingo, no Luso Brasileiro, teve mais uma vez a arbitragem como tema principal. O time mineiro reclamou demais de supostos erros do juiz Wagner Reway no primeiro e no terceiro gols do adversário, além de um pênalti não marcado a seu favor quando o placar estava em 1 a 0. Após o confronto, o presidente Daniel Nepomuceno mostrou toda a revolta contra o árbitro.

"É revoltante. Com investimento bilionário no futebol, não pode ficar passivo de erro para decidir campeonato. Eu vou à CBF. Temos que ter uma mudança e veto a árbitro que erra, que simplesmente não tem critério. Não adianta ter sorteio. Tem que ter poder de veto. Não tem como o cara chegar, ter critérios diferentes, não ter qualificação para apitar, e simplesmente ficar impune", disse à Rádio Itatiaia.

Os atleticanos reclamaram de um toque de mão no primeiro gol botafoguense, de Bruno Silva, e de uma falta em Carlos César na origem do terceiro gol, de Dudu Cearense. Também viram falta de critério de Reway nas marcações. Tudo isso, em meio a uma grande polêmica envolvendo a arbitragem ao longo da última semana.

"Semana caótica da arbitragem brasileira! Não adianta mudar o comando pra vermos essa vergonha que vimos hoje", comentou Nepomuceno em sua página no Twitter. Também nas redes sociais, o presidente do conselho deliberativo do Atlético-MG, Rodolfo Gropen, chamou Reway de "soprador de apito".