Prometendo lutar até o fim pelo América-MG, Tony analisa: 'A situação é difícil'

Meia enfatiza que não se pode enganar o torcedor, Coelho está praticamente rebaixado no Campeonato Brasileiro

por Agência Futebol Interior

Belo Horizonte, MG, 19 (AFI) - “Enquanto houver um décimo de chance de classificação, a equipe vai lutar. E mesmo que as chances de permanência se esgotem, jamais vamos desistir de buscar as vitórias”. Com esse pensamento o meia Tony tenta traduzir o sentimento dos jogadores do América-MG. O atleta, um dos líderes do grupo americano, reconhece que a situação é praticamente irreversível, mas se recusa a jogar a toalha. Ainda faltam sete jogos e o objetivo continua sendo o de somar o maior número possível de pontos, para deixar a lanterna do Campeonato Brasileiro, e terminar a temporada com dignidade.

“A gente tem que ser realista e não pode enganar o torcedor. A situação é difícil. Mas, enquanto houver esperança, vamos lutar. Se tivermos condições de ganhar sete jogos e escapar, nós vamos lutar. Vou lutar o tempo inteiro pela minha família, pela camisa que eu visto e pelo caráter que eu tenho. Somos privilegiados por jogar futebol. Sei que muitos gostariam de estar onde estou. Então é continuar lutando por tudo que Deus me abençoou de fazer, de praticar um esporte que todos nos gostamos”.

Tony teve bom desempenho diante do Corinthians na última partida (Foto: Carlos Cruz / América-MG)
Tony teve bom desempenho diante do Corinthians na última partida (Foto: Carlos Cruz / América-MG)
BOM DESEMPENHO
Assim como seus companheiros, Tony deixou o campo no domingo muito chateado com a derrota para o Corinthians. Entretanto, falou de sua satisfação pessoal por seu bom desempenho físico e técnico no jogo. Ele passou um longo período em recuperação de uma lesão e, após o seu retorno, ainda não havia realizado uma partida na intensidade como a de domingo.

No segundo, além de criar jogadas para seus companheiros de ataque, foi dele os dois chutes de média distância mais perigosos contra o gol adversário.

“Fiquei realmente satisfeito. Estou cada vez mais confiante e melhorando meu rendimento. Aquele chute que peguei tinha endereço certo, mas o Valter fez uma grande defesa. Fui até cumprimenta-lo, porque ele é um grande goleiro e foi muito bem naquela bola. Fiquei muito tempo parada e agora espero evoluir ainda mais. Faltam sete jogos e precisamos somos pontos para terminar a temporada com dignidade, e espero ajudar ainda mais o América”, deseja o jogador.